Sábado, 20 Outubro 2018

polmc

A política revolucionária para os meios de comunicação passa pela estatização de todos os meios de comunicação e colocá-los sob o controle operário. Com relação aos meios eletrônicos, às televisões, os tempos devem ser divididos entre os movimentos sociais, as universidades, os sindicatos, as empresas públicas, os partidos políticos e assim sucessivamente. Hoje em dia, a direita fala sozinha. É um massacre da informação absoluto e absurdo.

Em relação à publicidade estatal, há um enorme direcionamento de verbas públicas para a grande imprensa reacionária. Além disso, a Revista Veja, por exemplo, em grande medida, é sustentada pelas assinaturas que o governo de São Paulo tem feito com as escolas estaduais. São 200 mil revistas Veja, aproximadamente, que vão para as escolas estaduais.

A luta dos trabalhadores não é uma luta cultural. É uma luta de classes pela própria sobrevivência, onde ele vai apreendendo conforme avança na própria experiência, principalmente por meio da experiência coletiva. Cada vez que ele é atacado pelo judiciário é um aprendizado. Se a polícia vai numa greve e bate no trabalhador, ele vê que a polícia não é a favor dos trabalhadores. Se o Exército ou a polícia matam trabalhadores, isso fica mais claro e a crise tende a se acirrar. E a imprensa no geral, principalmente a Rede Globo, é odiada. Na idade média tinha a Igreja, agora tem a imprensa.

Os mecanismos de contenção da luta dos trabalhadores

Muitas vezes, setores da esquerda consideram que o grande problema do Brasil, o grande ponto de contenção, seria a grande imprensa da direita. Isso é um engano. O principal ponto de contenção da luta da classe operária é a própria ditadura que existe nas empresas, em primeiro lugar. As empresas funcionam como se fossem uma cadeia para os trabalhadores, sempre com a ameaça das chefias, do desemprego etc. O segundo ponto de contenção é a burocracia sindical. Cada vez que o trabalhador vai tentar entrar em greve, e ele sempre em cima dos ataques busca que o seu sindicato o mobilize, ele se vê traído pela burocracia sindical. Depois, há o judiciário, que impede as greves e a luta no geral. Depois, há a repressão policial, as bandas fascistas, o Exército. A seguir sim, a idiotização criada pela imprensa.

A luta dos trabalhadores deve ser organizada a partir das próprias reivindicações e, em cima da própria experiência, fazê-la avançar rumo à tomada do poder político. Para isso, é preciso a direção do partido operário revolucionário.

A crise do grande capital tende a aumentar no próximo período, rumo a um colapso de gigantescas proporções. Essa é a base que colocará em movimento a classe operária mundial ao mesmo tempo que o grande capital colocará em ação o fascismo. Revolução e contrarrevolução andam juntos. Devido à crise de direção, o mais provável é que aconteça um grande levante de massas, que deverá ser espontâneo, e que deverá ultrapassar a burocracia. O papel dos revolucionários é se preparar para organizar a luta, elaborar a política, colocar em pé as palavras de ordem que mobilizem e orientem a classe operária, e explicá-las por meio da imprensa revolucionária.       

Nacional

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

19 Outubro 2018
Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Por Florisvaldo Lopes Após uma grande polarização entre Haddad (PT), uma aposta do imperialismo europeu, e Bolsonaro (PSL), uma aposta do imperialismo norte-americano, ambos foram para o segundo turno da...

Haddad faz gol contra

18 Outubro 2018
Haddad faz gol contra

A campanha do PT no segundo turno está bem diferente da campanha do primeiro turno. É corrente que o segundo turno é considerado outra eleição, mas enquanto Bolsonaro manteve o...

Haddad, semeando derrotas

16 Outubro 2018
Haddad, semeando derrotas

A recente campanha de Fernando Haddad tem se mostrado um desastre completo que está conduzindo à vitória de Bolsonaro. É possível ver nas entrevistas que tanto Bolsonaro como Fernando Haddad...

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

05 Outubro 2018
Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Na semana passada foi realizada na grande mídia uma campanha de desconstrução da candidatura de Bolsonaro, que culminou com o movimento #EleNão no sábado, dia 29 de setembro, com atos...

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

01 Outubro 2018
Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Por Florisvaldo Lopes O imperialismo, principalmente o norte-americano, que deu o golpe na dita “democracia” brasileira quando derrubou a presidenta Dilma Rousseff, e que mesmo antes disso buscava um gerente...

Gazeta Revolucionária [pdf]

 gr11 Setembro 2018

 gr11 Setembro 2018 capa

Setembro 2018


 

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...