Segunda, 18 Junho 2018

tortura

O regime político brasileiro atual se desmoraliza e abre caminho para a sua substituição por um regime mais duro, rumo a um golpe militar.

O golpe militar está se desenvolvendo. Neste momento, os militares aparecem como os garantes da imposição da nova etapa do golpe, que somente pode ser um regime bonapartista, por fora do parlamento, sustentado nos aparatos da burocracia estatal, a polícia e o Exército. Este poderá atuar na primeira linha política ou nos bastidores, como já acontece. As declarações do general Hamilton Mourão e de outros generais mostram que eles já têm um papel importante na política. Nenhum deles foi punido pelas declarações apesar do Regimento Militar proibir os militares da ativa de se envolverem na política. Nessas declarações, foi dito com todas as letras que ou bem o Judiciário conseguia conter a desmoralização do regime e colocava “os corruptos” na cadeia ou os militares iriam intervir. Essa intervenção deve ser interpretada como um golpe militar a la Castelo Branco de 1964. Os militares entrariam no governo, fechariam o Congresso, limpariam o STF (Supremo Tribunal Federal) e outros órgãos da Justiça, de alguma maneira, imporiam uma nova constituição e chamariam novas eleições, hiper controladas com um número de partidos políticos reduzido e abertamente pró imperialistas. Esse seria o script que poderá ser cumprido de maneira integral ou parcial.

Um novo Ato Institucional Número 5?

Neste momento, não está colocado um golpe de Estado fascistoide como o que foi dado em dezembro de 1968 com o Ato Institucional número 5, o AI-5, que acabou com todas as garantias institucionais e até com o próprio habeas corpus. Esta seria a quarta etapa do golpe, uma ação abertamente contrarrevolucionária que teria como objetivo conter o desenvolvimento das tendências revolucionárias.

Em agosto de 2016, foi consolidado o golpe parlamentar contra Dilma Rousseff. A seguir, foi imposto o golpe do Judiciário, o “estado de exceção”, mesmo que de maneira contraditória, mostrando as limitações para controlar o regime. Por isso, o imperialismo impõe a terceira etapa do golpe, o bonapartismo, que ainda não seria a etapa fascistoide, com o objetivo de escalar os ataques contra as massas e conter pela força a inevitável reação.

O aprofundamento da crise capitalista mundial impõe ao grande capital a necessidade de atacar as massas. Em cima desse objetivo, ele é obrigado a endurecer o regime político.

O desenvolvimento do golpe de Estado acontece em cima do desenvolvimento da crise política do regime. Devido ao enfraquecimento e desmoralização do regime político atual o imperialismo busca colocar em cena os militares. E entenda-se bem: se trata da ala direita do Exército, a mais de extrema direita e ligada ao imperialismo.

A entrada em cena de maneira aberta pelos militares pode adquirir vários formatos em cima da campanha contra a corrupção. E “corruptos” são quem o imperialismo quer que seja corrupto. A política que o general golpista Castelo Branco tentou aplicar não conseguiu avançar, com a saída dos militares do governo, porque naquele momento havia um ascenso de massas que ele não conseguiu conter. Ele foi substituído em 1967 por um general ainda mais direitista, Artur da Costa e Silva, que ficou no poder até o seu falecimento em dezembro de 1969. O Ato Institucional Número 5, de dezembro de 1968, tinha como objetivo conter o ascenso de massas que tinha se aberto  e depois em 1968 como efeito do contágio da desestabilização política mundial, especialmente o chamado “maio francês”, que tinha na base a crise de 1967 a qual tinha acabado com a pacificação dos chamados “Anos Dourados” do capitalismo, inaugurada com o Plano Marshall em 1948. O General Garrastazu Médici encabeçou a Ditadura Militar no período mais truculento, mas tinha como base material o chamado Milagre Brasileiro, promovido por meio de um amplo programa de investimentos em obras de infraestrutura subvencionado pela larga liquidez financeira do início dos anos de 1970. Esse “Milagre” chegou ao fim com a crise mundial de 1974 que esteve na base da liquidação de todas as ditaduras militares com as quais o imperialismo norte-americano tinha infectado o mundo.

Uma caricatura do golpe de 1964

O desenvolvimento do golpe de Estado no Brasil aparece como uma caricatura do golpe de 1964. Hoje, o PT é uma sombra do que ele mesmo foi na década de 1980 e ainda uma sombra mais tênue do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que controlava enormes sindicatos junto com o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) que estava no governo e que queria fazer as chamadas reformas de base, etc. O poder de contenção do movimento de massas, em cima dessas comparações, é muito pequeno, principalmente para conter um forte movimento de massas, já que hoje o PT se encontra totalmente atrelado aos aparatos ligados ao Estado com muito escassa militância de base. Por esse motivo, o imperialismo busca fortalecer os mecanismos de contenção por meio das baionetas.

Além da intervenção direta dos militares, que envolveria a necessidade de colocar em movimento nas ruas a pequena burguesia, seguindo os moldes do golpe contra Dilma Rousseff, há a alternativa do golpe militar avançar por meio da candidatura de Jair Bolsonaro, que já prometeu que se ganhar as eleições irá colocar vários ministros militares. O que ele poderia fazer? Poderia fazer, por exemplo, o que Jânio Quadros fez em 1961: ele mesmo provocar um auto golpe militar, que limparia o Estado dos “corruptos” que o impediam de governar, e a partir daí recompor o regime político no sentido abertamente pró-imperialista. Esta avaliação é muito importante porque coloca o cerne da questão que é: como fazer para recompor o regime político para dar conta das tarefas colocadas pela crise econômica.

O esgotamento da “frente neoliberal”

Os partidos “neoliberais”, como por exemplo FHC no Brasil, contaram com o apoio de uma “frente única neoliberal” que incluía a participação de todo o regime político, desde a esquerda burguesa até a extrema direita. O PT apoiou o governo de FHC a partir das Câmaras Setoriais impulsionado pelo mega pelego Vicentinho a partir do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo. A própria eleição de Lula em 2002, foi uma passagem de bastão de FHC, que se encontrava esgotado e enfrentava o início do ascenso do movimento de massas. O principal cabo eleitoral de Lula foi o próprio FHC, o que se comprovou com a ida de Lula com a cúpula tucana aos Estados Unidos, para pedir a bênção a esse verdadeiro elemento da extrema direita, George Bush Jr.

Hoje a formação de uma nova “frente única neoliberal” para impor uma nova onda neoliberal representa uma política falida. Ela conseguiu avançar na Argentina com o macrismo, mas deverá enfrentar forte desgaste, da mesma maneira que pode se ver no México, com Peña Nieto, na Colômbia, com Juan Manuel Santos, no Peru, com Kuczinsky, no Chile, com a Concertación e Sebastián Piñeira, e no Brasil com o governo Temer e o PSDB. Como ficou claro com as delações da JBS, em maio, o imperialismo avança, embora que de maneira contraditória, para liquidar os regimes políticos colocados em pé com o neoliberalismo, que se esgotou com o colapso capitalista de 2008. No lugar, busca impor regimes mais duros, de cunho bonapartista, por fora do parlamento e baseados na ditadura burocrático-policial com a participação em alguma medida do Exército.

A crise generalizada do regime político

O regime político de conjunto enfrenta uma crise histórica, em escala mundial, por causa do aprofundamento da crise social e econômica do capitalismo. A desmoralização do governo Temer, do Congresso, de todos os políticos e do STF é geral. A Procuradoria Geral da República se encontra paralisada. A própria Operação Lava Jato enfrenta dura crise como um dos principais instrumentos da extrema direita. Recentemente, apareceram as denúncias sobre a corrupção na Polícia Militar e no Exército. O capitalismo afinal das contas é capitalismo.

Parte da esquerda se confunde com a avaliação da situação política, que é realmente complexa. Um intelectual famoso, candidato ao prêmio Nobel, o professor Moniz Bandeira, levantou a bandeira de um golpe militar no Brasil porque aqui há muita corrupção. O problema é que quem está levantando o golpe militar no Brasil é a ala direita do Exército; uma ala hiper pró imperialista. A ala mais esquerdista do Exército, tem seus principais representantes na cadeia, a começar pelo vice almirante Otto, que é um idoso com 76 anos de idade, e que recebeu uma condenação de 45 anos de prisão, porque ele teria se envolvido em “corrupção” para fazer compras de algumas peças que somente se encontram no mercado negro, com o objetivo de converter o Brasil numa potência nuclear. Ele estava à frente da construção de Angra 3 e do submarino nuclear brasileiro, que é muito importante para defender o Pré-Sal brasileiro.
 

O papel da esquerda revolucionária

O contexto político atual aparece como muito negativo para a esquerda. Uma boa parte dela nem sequer enxerga golpe nenhum; está preocupada com as eleições de 2018, embora também exista a possibilidade dos militares virem a dar um golpe de Estado antes das eleições de 2018. Essa esquerda se encontra integrada ao regime político e portanto, tem se transformado numa esquerda anti revolucionária, ou para sermos mais específicos contrarrevolucionária.

Para a esquerda revolucionária a situação também é complicada devido à paralisia da classe operária mundial. Mas a situação política deve ser avaliada de maneira dialética, na totalidade, em escala mundial, com as contradições internas que estão na base do desenvolvimento.

A crise generalizada do regime político também coloca a crise generalizada dos mecanismos de contenção, a necessidade do grande capital partir para os métodos de guerra civil contra as massas, o que tende a exacerbar as contradições sociais.

Para o próximo período, a escalada dos ataques do grande capital irá colocar, inevitavelmente, em movimento a classe operária mundial. A onda grevista e de movimentações de rua e no movimento popular deverá passar por cima do sindicalismo burocrático e da esquerda oportunista. Esses movimentos serão espontâneos o que coloca a possibilidade da classe operária, e dos trabalhadores em geral, serem contidos, desmoralizados e até, em cima da movimentação da classe média apavorada pela crise, o grande capital conseguir avançar para impor o fascismo. Mas essas movimentações serão uma escola para o novo movimento operário e de massas, para os milhões de trabalhadores que não conheceram o estalinismo, o sindicalismo burocrático e a burocracia em geral. Se abrirá um celeiro que permitirá avançar a esquerda revolucionária rumo à construção do partido operário revolucionário mundial. O ritmo e as contradições envolvidas dependerá do desenvolvimento da crise do capital.

O papel dos marxistas hoje passa por se agruparem em torno ao programa revolucionário, desenvolver a política para o movimento de massas, fortalecer a imprensa como instrumento de organização, agitação e propaganda; e se preparar para atuar no próximo ascenso operário mundial.

+ Política

A Coreia do Norte e a crise mundial

A Coreia do Norte e a crise mundial

Para entender a crise geral que está aberta é preciso entender a evolução política mundial...

Estava cheia de si e dormiu

Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste...

Ciro Gomes com o pé na lama

Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita...

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

O problema no Brasil deve ser sempre entendido dentro da evolução da crise capitalista mundial...

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

O ponto central do balanço é se essa greve foi uma greve em si, se...

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Reunião de militares candidatos em Brasília, dia 8 de maio de 2018 Apareceram nos últimos...

A crise capitalista na Itália

A crise capitalista na Itália

 Há dez anos da crise de 2008, a economia capitalista mundial vem se mantendo em...

E por falar na CIA

E por falar na CIA

  O regime político no Brasil e no mundo avança para um regime mais duro,...

A esquerda sobre rodas

A esquerda sobre rodas

    O movimento dos caminhoneiros, ocorrido nos últimos dias de maio, colocou o governo...

A Crise na Venezuela

A Crise na Venezuela

A Venezuela é um caso muito interessante, sui generis. Foi o primeiro país a entrar...

 A política de terra arrasada para a Petrobras

A política de terra arrasada para a Petrobras

  A política que tem sido aplicada na Petrobras é uma política de terra arrasada...

A "frente popular" e o balaio de gatos

A "frente popular" e o balaio de gatos

A política real do PT, que encabeça a Frente Popular, é a política de Frente...

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

  Nesses dias se "comemorou" dois anos de governo Temer no Brasil. Neste governo Temer o...

A verdade sobre a  luta contra a corrupção

A verdade sobre a luta contra a corrupção

  Em primeiro lugar o imperialismo norte americano assim como o imperialismo como um todo,...

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

  Era certo que, mais dia, menos dia, aconteceria um movimento de protesto dos caminhoneiros...

A esquerda integrada ao regime

A esquerda integrada ao regime

Marx estabeleceu uma luta muito grande contra os setores oportunistas dentro do movimento operário europeu...

A crise do regime político

A crise do regime político

  A teoria fundamental sobre o Estado burguês foi colocada amplamente na Ideologia Alemã, no...

A luta de classes

A luta de classes

  No Manifesto Comunista, escrito em 1848, Marx e Engels distinguem as classes sociais fundamentais...

Argentina: o elo mais fraco

Argentina: o elo mais fraco

    O governo Macri é uma verdadeira escola de neoliberalismo tentando aplicar as políticas...

A crise capitalista total

A crise capitalista total

  A teoria da crise capitalista está bem desenvolvida justamente nesse colosso do marxismo que...

O resto do mundo e o Oriente Médio

O resto do mundo e o Oriente Médio

Ao aprofundamento da crise capitalista nos países desenvolvidos tem se somado a crise de países...

O aprofundamento da crise na América Latina

O aprofundamento da crise na América Latina

    No Brasil, em 1997, houve uma situação parecida com a da Argentina hoje,...

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

  Agora, o que está acontecendo, dentro da caixa de Pandora aberta pela Operação Lava...

Mortes e prisões no dia do trabalhador

Mortes e prisões no dia do trabalhador

  A política oficial do PT teve como resultado um 1 º de maio, em...

O desespero petista

O desespero petista

    O 1 º de maio de 2018 representou um divisor de águas, marcou...

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Há uma luta entre alas da burguesia. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, aderiu ao...

O primeiro motor do golpe

O primeiro motor do golpe

De acordo com a revista The Economist, de 28 de janeiro de 2017, a taxa...

Um golpe sem pausas

Um golpe sem pausas

    No último período, o golpe de Estado no Brasil, continua se desenvolvendo a...

A América Latina nas garras do imperialismo

A América Latina nas garras do imperialismo

A política do imperialismo norte-americano para a América Latina é única. Não se trata de...

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

Além do que está na linha de frente do golpismo, há o que está na...

A insustentável defesa do menchevismo

A insustentável defesa do menchevismo

As atividades do 1º de maio de 2018 demonstraram o fracasso absoluto da frente popular,...

A paralisia vai durar até quando?

A paralisia vai durar até quando?

  Até esse momento, o imperialismo ainda não impulsionou grandes mobilizações de massas dirigidas pela...

Não se trata da luta do bem contra o mal

Não se trata da luta do bem contra o mal

  O imperialismo organiza sua política para aumentar os ataques contra as massas A esperança...

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

   O fiasco do 1º de Maio no Brasil mostrou a evidente crise da política...

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

  A crise política avança no Brasil. O governo Temer está liquidado. Tanto é assim...

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Por Florisvaldo Lopes Claro que desde sempre o eleitor é enganado com os discursos demagógicos...

Governo Pimentel, a ex-querda capitalista

Governo Pimentel, a ex-querda capitalista

O governo de Fernando Pimentel (PT) é uma lástima e de uma venalidade impressionante. Fingindo...

O ovo da serpente contra a noite dos proletários

O ovo da serpente contra a noite dos proletários

Tudo na vida e na sociedade nasce, evolui, chega à sua maturidade e depois entra...

Frente ampla com Ciro Gomes e outros golpistas

Frente ampla com Ciro Gomes e outros golpistas

No atual cenário político, com Lula fora do cenário eleitoral, os candidatos que realmente têm...

A crise material da política de frente popular

A crise material da política de frente popular

No Brasil, a política de frente popular começou a entrar em crise de maneira muito...

Bashar al-Assad, Putin, Xi Jinping, Lula – Que defesa?

Bashar al-Assad, Putin, Xi Jinping, Lula – Que defesa?

Uma coisa interessante é que o bombardeio da Síria pelos Estados Unidos, França e Reino...

O declínio da frente popular e a prisão de Lula - I

O declínio da frente popular e a prisão de Lula - I

A prisão de Lula e os acontecimentos da Síria com o bombardeio recente dos Estados...

A crise do Oriente Médio no contexto mundial

A crise do Oriente Médio no contexto mundial

Temos observado na imprensa capitalista mundial que os Estados Unidos tenta fazer uma campanha contra...

A crise mundial e a implosão do PT

A crise mundial e a implosão do PT

Em 2012, a política de contenção da crise mundial acabou fracassando. A tentativa de contê-la...

O nacionalismo do PT

O nacionalismo do PT

A política do PT no governo gerou algumas contradições, embora que pequenas, com o imperialismo....

As leis do capital em ação

As leis do capital em ação

O desenvolvimento tecnológico é imposto pela própria concorrência capitalista porque, se ele não avançar, leva...

Série: Golpe de Estado

Série: Golpe de Estado

O efeito borboleta e a prisão de Lula  Recentemente a prisão de Lula ocorreu da...

O efeito borboleta e a prisão de Lula

O efeito borboleta e a prisão de Lula

Recentemente a prisão de Lula ocorreu da maneira mais incrível e, para os analistas mais...

O imperialismo no epicentro dos golpes

O imperialismo no epicentro dos golpes

No Brasil, o imperialismo norte-americano depôs a presidenta Dilma Rousseff, encarcerou o ex presidente Lula...

Contra Lula e Temer: a mesma política imperialista na América Latina

Contra Lula e Temer: a mesma política imperialista na América Latina

    Neste momento após o indeferimento do habeas corpus do ex-presidente Lula no STF...

Nacional

Estava cheia de si e dormiu

14 Junho 2018
Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste do governo Temer e este só se mantém no cargo devido a que estamos a...

Ciro Gomes com o pé na lama

14 Junho 2018
Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita e da esquerda integrada ao regime estão inviabilizados e os votos brancos e nulos dispararam....

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

09 Junho 2018
Os caminhoneiros e a guerra híbrida

O ponto central do balanço é se essa greve foi uma greve em si, se foi motivada pela base, ou se ela foi um lockout patronal. Verificamos que a grande...

Bate continência aqui e mantenha o respeito

09 Junho 2018
Bate continência aqui e mantenha o respeito

Reunião de militares candidatos em Brasília, dia 8 de maio de 2018 Apareceram nos últimos dias a revelação dos telegramas secretos dos EUA, documentos da CIA, onde se relatam a...

A política de terra arrasada para a Petrobras

03 Junho 2018
 A política de terra arrasada para a Petrobras

  A política que tem sido aplicada na Petrobras é uma política de terra arrasada que basicamente passa pela política imposta pelo imperialismo de entregar a empresa para os monopólios...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...

A economia vai de mal...

  A inflação no Brasil teria caído para 3%, segundo...