alkim malafaia

 

Agora, o que está acontecendo, dentro da caixa de Pandora aberta pela Operação Lava Jato, é que os procuradores querem ir além do PT porque são elementos, no geral, da extrema direita que querem varrer o regime político para impor um regime muito mais pró imperialista. Em São Paulo, os procuradores estão falando da perda do foro privilegiado para o governador Geraldo Alckmin.

A política catastrófica do PT e da “frente popular” como um todo se expressou no 1 º de maio falido, com Lula atrás das grades, após ele próprio ter se entregado, sem contrapor nenhuma resistência, confiando totalmente no Judiciário, em um momento em que temos a caracterização que existe o golpismo que está operacionalizado principalmente a partir do próprio Poder Judiciário.

A política do PT é uma política de conciliação de classes, é uma política cretina e cada vez mais, conforme o golpe avança, abertamente contrarrevolucionária. A cúpula do PT acha que para manter os próprios privilégios bastaria fazer mais concessões à direita e ao imperialismo, mantendo a contenção às massas como serviço a ser prestado. Mas não é bem assim que evolui a situação política. Se trata de uma política totalmente falida e que abre espaço, ainda com mais força, a novas etapas do golpe, que evolui na direção do golpe militar. A próxima etapa da evolução do golpe passa evidentemente por fora do parlamentarismo, o pouco que existe do processo eleitoral, para impor um regime no Brasil basicamente extra parlamentar, apesar de poder manter alguma simulação, como aconteceu em 1964, e com a presença dos militares e dos elementos abertamente pró-imperialistas no governo com força cada vez maior.

A política da esquerda burguesa e pequeno burguesa acelera o golpismo e implica em que se agrupou por trás de uma política golpista pela própria covardia, pelo medo de perder o controle da direção das massas. Para o próximo período, está colocado o aprofundamento da crise capitalista mundial. Sob esta base, a classe operária e as massas deverão entrar em movimento novamente. A luta tende a acontecer abertamente entre a burguesia e o proletariado em escala mundial. A burguesia colocando em cena, com muito mais força o fascismo, as guerras em larga escala e a contrarrevolução. A classe operária estará colocada perante a necessidade histórica de aplicar os próprios métodos e de construção de uma nova direção classista e revolucionária.