Quarta, 24 Outubro 2018

buro

A política do movimento de massas e do movimento operário, neste momento, deveria se orientar a organizar o enfrentamento contra as privatizações e todos os ataques do imperialismo.

Uma parte da burocracia dos Correios, a burocracia mais esquerdista, deu uma virada à direita enorme após a perda do imposto sindical. Ela falou que a greve dos Correios, que se desmantelou como um castelo de cartas após a traição (esperada) da burocracia do Rio de Janeiro e de São Paulo, teria sido uma vitória e que agora os trabalhadores teriam de esperar março para fazer uma nova movimentação. Isso é um absurdo e mais uma traição porque enquanto os trabalhadores esperam março, o imperialismo, o governo, a burocracia no seu núcleo mais contrarrevolucionário, e a direção da Empresa, continuam se movimentando para privatizar tudo, para impor um verdadeiro massacre contra os trabalhadores.

Em momentos em que o fundo de pensão dos Correios foi intervindo, o Postalis, onde há toda uma propaganda sobre a suposta saída da crise, com a inflação baixa, com a redução dos juros, com a suposta retomada da economia a partir das montadoras, tudo não passa de uma balela porque não há nenhuma retomada de economia. O que há é uma crise enorme levando em conta que nos últimos dois anos e meio a economia brasileira se reduziu em 10% e o desemprego bate recordes históricos. O dado oficial aponta o desemprego de aproximadamente 13 milhões de trabalhadores, mas, considerando que de uma força total de 120 milhões de trabalhadores, há pouco mais de 30 milhões de trabalhadores com Carteira de Trabalho assinada e que a metade disso ganha salário mínimo, aí se revela o tamanho da crise.

Por que o imperialismo precisou derrotar a greve nos Correios?

Os trabalhadores terceirizados, que já representam um número de trabalhadores maior que os concursados (levando em conta os trabalhadores das franquias), nem sequer são considerados trabalhadores da Empresa pela burocracia porque eles acabam não repassando o dinheiro para esses sindicatos pelegos. Nesse sentido, o que nós vemos é que se trata de um sindicalismo em total decadência e totalmente atrelado à patronal e ao estado, praticamente sem nenhuma ligação militante com a classe operária.

Tudo na vida e na sociedade nasce, cresce, se desenvolve e morre. O sindicalismo burocrático no Brasil, neste momento, se encontra na fase final; se trata de um sindicalismo semi moribundo que reflete também a crise da política de conciliação de classes da “frente popular” encabeçada pelo PT.

Neste momento, a greve nos Correios não poderia triunfar, porque ela poderia estabelecer um risco para o imperialismo de incendiar outras categorias, principalmente petroleiros, bancários, metalúrgicos, etc. Então foi feita toda uma operação de guerra para que essa greve fracassasse. Esta política pode ser considerada como “normal” para o Brasil que é um país continental, onde um ascenso de um forte movimento grevista poderia contagiar outros países em um momento que a burguesia imperialista, no geral, se encontra estupefata, digamos, não sabe como controlar a crise.

Nacional

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

19 Outubro 2018
Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Por Florisvaldo Lopes Após uma grande polarização entre Haddad (PT), uma aposta do imperialismo europeu, e Bolsonaro (PSL), uma aposta do imperialismo norte-americano, ambos foram para o segundo turno da...

Haddad faz gol contra

18 Outubro 2018
Haddad faz gol contra

A campanha do PT no segundo turno está bem diferente da campanha do primeiro turno. É corrente que o segundo turno é considerado outra eleição, mas enquanto Bolsonaro manteve o...

Haddad, semeando derrotas

16 Outubro 2018
Haddad, semeando derrotas

A recente campanha de Fernando Haddad tem se mostrado um desastre completo que está conduzindo à vitória de Bolsonaro. É possível ver nas entrevistas que tanto Bolsonaro como Fernando Haddad...

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

05 Outubro 2018
Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Na semana passada foi realizada na grande mídia uma campanha de desconstrução da candidatura de Bolsonaro, que culminou com o movimento #EleNão no sábado, dia 29 de setembro, com atos...

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

01 Outubro 2018
Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Por Florisvaldo Lopes O imperialismo, principalmente o norte-americano, que deu o golpe na dita “democracia” brasileira quando derrubou a presidenta Dilma Rousseff, e que mesmo antes disso buscava um gerente...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...