Terça, 25 Setembro 2018

grevegauchosA greve dos professores do Rio Grande do Sul continua forte em todo o estado. Hoje, 2 de outubro, completa 27 dias de uma greve histórica que marca a resistência dos trabalhadores aos planos de arrocho e sucateamento do serviço público promovidos pelo governo Sartori (PMDB).

Na sexta-feira última, dia 29 de setembro, aconteceu uma Assembleia Geral da categoria que resolveu pela continuidade da greve. Logo após realizou-se um ato público unificado dos servidores estaduais contra o governo e seu famigerado parcelamento de salários. Milhares de servidores de diversas categorias participaram da manifestação. Do Largo Glênio Peres, os servidores seguiram em caminhada pela Avenida Borges de Medeiros até o Palácio Piratini, sede do governo estadual.

O governo tentou dividir a categoria numa manobra de fazer o depósito integral dos salários que alcancem o valor de até R$ 1.750,00. Mas quem tiver vencimentos superiores receberão em data posterior. Esse valor atinge cerca de 40% dos servidores do executivo em geral e também dos professores e funcionários de escolas. A proposta do governo prevê que até o dia 11 de outubro serão pagos os salários entre R$ 1.750,00 e R$ 4.000,00. Os demais servidores receberão até 17 de outubro. Proposta, esta, considerada ainda insuficiente, pois mantém o atraso dos salários.

Essa mudança no calendário de pagamento também tem a ver com o ataque do governo que anunciou o corte do ponto dos grevistas, sexta-feira, 29 de setembro, na intenção de  amedrontar os docentes, que exigem recebimento do pagamento integral e sem atraso.

Porém, o CPERS/Sindicato, que representa a categoria, obteve, sábado, dia 30, liminar na justiça gaúcha que determinou que o governo estadual não poderá cortar o ponto dos professores da rede pública que estão em greve.

A greve continua por tempo indeterminado. Segue forte o apoio de pais e estudantes. O repúdio da comunidade em geral ao parcelamento de salário é muito grande e reflete uma indignação contida a todos os ataques promovidos pelo capital à classe trabalhadora.

Um fato que fortalece o movimento foi a deflagração da greve dos servidores públicos municipais de Porto Alegre contra as medidas neoliberais e o parcelamento dos salários promovidos pelo prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB). Em assembleia realizada sexta-feira, 29 de setembro, os servidores decidiram parar a partir de 5 de outubro. Na última rodada de negociações não houve avanços nos itens da pauta da categoria, nem em relação ao fim do parcelamento dos salários dos servidores.

Tanto o governo estadual do RS como o municipal de Porto Alegre, têm  fluxo de caixa suficiente para evitar o parcelamento de salários, mas aplicam a política de arrocho, caminhando no sentido da retirada de direitos dos servidores e entrega do patrimônio público por meio de privatizações de empresas estatais.

O ataque às conquistas dos servidores públicos e o sucateamento do serviço público é consequência da proposta de “redução dos gastos públicos” exigidas pelos EUA como forma de garantir o superávit primário e drenar os recursos do país para os banqueiros internacionais.

A unidade dos trabalhadores é fundamental para derrotar os planos de Temer, Sartori e Marchazan Jr..E para conquistar essa unidade os trabalhadores também têm que enfrentar um outro entrave que está em seu próprio meio, que são as direções burocráticas que controlam o movimento a nível nacional.

Essas direções burocráticas atuam no movimento de massas, promovendo um freio às mobilizações, como política com vistas às eleições do próximo ano e a seus próprios privilégios. Elas se negam a impulsionar e unificar as campanhas salariais das principais categorias nacionais que tem data base no segundo semestre. O exemplo da greve dos Correios é flagrante. A greve está isolada a nível nacional, e as duas federações que dirigem a categoria (Fentect e Findect), junto com suas respectivas centrais sindicais (CUT e CTB) e partidos políticos (PT e PCdoB), não estão promovendo a tão necessária unificação com as outras categorias para garantir a vitória.

Essa linha imobilista tem que ser quebrada. E os professores do RS dão o exemplo de como superar esse freio, impulsionando a luta pela base e unificando o movimento com outras categorias. No ato público unificado do dia 29 de setembro ficou definido nova concentração unificada na Praça da Matriz para terça-feira, 3 de outubro, para dar continuidade ao movimento.

  

Nacional

Bolsonaro e os militares

18 Setembro 2018
Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich Hegel e que, depois, foi referendada por Karl Marx:  a História se repete, a primeira...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

17 Setembro 2018
Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), marca o aprofundamento do processo do golpe de Estado.  Colocou em cena o general da...

Aos trabalhadores brasileiros

12 Setembro 2018
Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises econômicas da História. Não fomos nós trabalhadores que provocamos e sim os capitalistas, os quais...

A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

03 Agosto 2018
A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

O golpe de Estado no Brasil, capitaneado pelo Poder Judiciário, avança de vento em popa. Com a aproximação do prazo final para inscrições de candidatos ao cargo de Presidente da...

Devorados pelo Judiciário

20 Julho 2018
Devorados pelo Judiciário

A ilusão da esquerda nas instituições do Estado burguês fica manifesta com a postura quase que religiosa de confiança na Justiça burguesa. Porém, esse crédito na isenção dos julgadores brasileiros...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...