Quarta, 21 Fevereiro 2018

Por Florisvaldo Lopes

buroLeon Trotsky, em sua escrita de 1940 (Os Sindicatos na Época da Decadência Imperialista, já alertava: “Há uma característica comum no desenvolvimento ou, para sermos mais exatos, na degeneração das modernas organizações sindicais de todo o mundo: sua aproximação e sua vinculação cada vez mais estreita com o poder estatal. Esse processo é igualmente característico dos sindicatos neutros, socialdemocratas, comunistas e anarquistas. Somente este fato demonstra que a tendência a "estreitar vínculos" não é própria desta ou daquela doutrina, mas provém de condições sociais comuns a todos os sindicatos”... Continua: “O capitalismo monopolista não se baseia na concorrência e na livre iniciativa privada, mas numa direção centralizada. As camarilhas capitalistas, que encabeçam os poderosos trustes, monopólios, bancos etc., encaram a vida econômica da mesma perspectiva como o faz o poder estatal, e a cada passo exigem sua colaboração. Os sindicatos dos ramos mais importantes da indústria, nessas condições vêm-se privados da possibilidade de aproveitar a concorrência entre as diversas empresas. Devem enfrentar um adversário capitalista centralizado, infimamente ligado ao poder estatal. Daí a necessidade que os sindicatos têm - enquanto se mantenham numa posição reformista, ou seja, de adaptação à propriedade privada”....

Hoje a esmagadora maioria dos sindicatos se integraram ao regime burguês e não passam de agentes a serviço do imperialismo para conter a luta dos operários. A burocracia sindical teme que os trabalhadores descubram que ela é agente do capital por isso alguns deles usam um verniz reformista para manter o disfarce.


Os sindicatos brasileiros de hoje não passam de pequenos feudos a serviço do interesse individual de seus presidentes e diretores liberados. Em muitos casos seus presidentes tratam o sindicato como sendo propriedade sua. Exemplos: “no meu sindicato, isso não acontece”, “quando eu me aposentar vou deixar alguém que dê continuidade”; ou seja típicas frases de um dono de loja. Os sindicatos e seus diretores gerenciam o mesmo como um negócio particular  e se esquecem que os trabalhadores os elegeram para os representar.

A taxa de sindicalização no Brasil é abaixo dos 18%,  e por que apenas esse percentual de trabalhadores sindicalizados? Cada sindicato mantêm na base apenas poucos filiados para manterem o controle do aparato. Existem diretores sindicais que ficam 30 anos ou mais liberados e nunca querem voltar à base.

Daí vem o porquê não existe trabalho de filiação em quase nenhum sindicato, a burocracia morre de medo de perder o aparato; por isso suborna alguns dos seus filiados para mantê-los comprometidos através de algumas regalias.

A falta de filiação se dá devido ao medo dos dirigentes de trazer para dentro de seu feudo pessoas diferentes daquelas que eles já controlam. A burocracia teme que esses novos filiados possam formar uma chapa para concorrer nas eleições sindicais e isso não interessa.

O mesmo se dá em relação às empresas com que esses sindicatos geralmente mantêm vínculos muito estreitos, pelo mesmo motivo, o medo que essas empresas possam incentivar outros trabalhadores a disputar e tomar os sindicatos, daí o motivo de quase todos os sindicatos estarem vendidos às empresas.

Em momentos de crise capitalista como a atual, a burocracia sindical se vê enlouquecida: por um lado o ataque do capital contra os sindicatos e pelo outro os trabalhadores começam a perceber que a direção do seu sindicato já não representa seus interesses. Nesse cenário, a burocracia com certeza trairá ainda mais os trabalhadores, pois a queda dos lucros dos capitalistas, provocada pela crise econômica, reduziu a possibilidade de manter as mordomias da burocracia. Esse fator objetivo se encontra na base da implosão da política de conciliação de classes encabeçada pelo PT.


A burocracia, como representante típica da pequeno burguesia, é preguiçosa e tem medo de perder a base material que a sustenta. Não enxerga, por causa do próprio caráter de classe, que a única forma possível para manter os sindicatos combativos em momentos de crise é desenvolvendo um trabalho político revolucionário na base. Isso significa elevar a consciência politica de sua base contra o sistema capitalista. Sem esse trabalho politico revolucionário que agrupe em torno dos sindicatos os trabalhadores em geral, os sindicatos estão fadados a desaparecer na sua forma atual e a renascer como sindicatos classistas como sempre aconteceu na história, durante o próximo e inevitável ascenso operário. Conforme os ataques capitalistas aumentarem os trabalhadores tomarão nas próprias mãos suas organizações, sejam elas sindicatos, partidos, associações etc. O acirramento da luta de classes entre a burguesia e os trabalhadores tendem a se colocar no próximo período.

Leon Trotsky: Capitalismo Monopolista e os Sindicatos

“O capitalismo monopolista é cada vez menos capaz de conviver com a independência dos sindicatos. Exige que a burocracia reformista e a aristocracia operária, que juntam as migalhas que caem de sua mesa, transformem-se em sua polícia política aos olhos da classe operária. Quando não consegue isso, suprime a burocracia operária, substituindo-a pelos fascistas. E, diga-se de passagem, todos os esforços que a aristocracia operária faça a serviço do imperialismo não poderão salvá-la por muito tempo da destruição”.

Independência total e incondicional dos sindicatos em relação ao Estado capitalista!
Contra o bonapartismo da burocracia, democracia operária!

Nacional

Lula e o fim da esquerda atual

13 Fevereiro 2018
Lula e o fim da esquerda atual

A condenação de Lula recentemente pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal) dá continuidade à política do imperialismo para a América Latina iniciada em 2014. A política do PT, que é uma...

Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

12 Fevereiro 2018
Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

Na madrugada de 8 de fevereiro de 2018, a Assembleia Legislativa gaúcha aprovou por 30 votos a 18 o Projeto de Lei Complementar 249/2017 que autoriza o Rio Grande do...

Todos são culpados até que se prove o contrário?

31 Janeiro 2018
Todos são culpados até que se prove o contrário?

Supremo Tribunal Federal: Prisão após condenação em 2º Grau?   No último período, a conjuntura nacional está fortemente marcada pelo avanço do Poder Judiciário sobre o regime político. O melhor...

Educação

Banco Mundial, gerente da educação brasileira

14 Fevereiro 2018
Banco Mundial, gerente da educação brasileira

A década de 1970 foi marcada pelo revés no modo de regulação capitalista, devido à crise do petróleo, a expressão da crise capitalista em geral. Ganharam força as propostas de...

Educação infantil na mira do prefeito de Belo Horizonte

18 Dezembro 2017
Educação infantil na mira do prefeito de Belo Horizonte

Prefeito de Belo Horizonte quer penalizar educadores, crianças e mulheres.   Diante do enorme déficit de vagas para atender às crianças da capital mineira na educação infantil, o prefeito encontrou...

São Paulo: O sucateamento da educação pública

30 Novembro 2017
São Paulo: O sucateamento da educação pública

Por Salomão Ximenes, Fernando Cássio e Silvio Carneiro (Professores da UFABC e pesquisadores da Rede Escola Pública e Universidade) A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEE-SP) abriu...

Gazeta Revolucionária [pdf]

capa gr4

Saiba Mais

O efeito colateral na esquerda

O movimento de massas está paralisado no Brasil e mesmo...

A morte terceirizada no Carnaval...

No último Domingo dia 04/02 o jovem Lucas Antônio Lacerda...

Socialismo pequeno burguês e os...

Para quem pensa que a CIA (Agência Central de Inteligência...

RS: Abaixo o plano de...

  A política aplicada pelo governo de José Ivo Sartori...

Socialismo pequeno-burguês e "teoria das...

A crítica concreta e ideológica das teorias pequeno-burguesas representa um...