globofbi.fw 

Desde a crise de 2008 o mundo não e mais o mesmo, os grandes monopólios lutam desesperadamente para repor a taxa de lucros em franco declínio. Nenhum setor da economia está imune aos ataques, tudo que possa dar lucros está na mira. Não foi à toa que começamos a ver o Departamento de Estado dos Estados Unidos, em 2015, indiciando 14 dirigentes da FIFA em operação conjunta com a polícia suíça que prendeu 8 deles em maio de 2015, em Zurique, dente estes presos estava o brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Segundo o The New York Times o FBI passou três anos investigando e descobriu um enorme esquema de corrupção na entidade máxima do futebol mundial. É interessante que o FBI, que não é uma polícia internacional, estivesse investigando a FIFA a ainda mais porque o futebol não é um esporte popular nos EUA.

Há um esforço dos EUA, do Japão e agora até da China, para massificar o futebol porque além do efeito "soporífico", de adormecer os trabalhadores, tem o efeito do lucro porque movimenta muito dinheiro. É um esporte que o trabalhador, no geral, gosta, além de ser um grande negócio relacionado com a audiência. Um fato muito importante é que a televisão, principalmente a TV aberta, está com os dias contados devido ao crescimento da internet. Mesmo a rede Globo brasileira, a TELEVISA mexicana, a Venevisión do Grupo Cisneros venezuelano, etc., estão perdendo audiência para o YouTube e a Netflix.

Há uma clara intensão do imperialismo de controlar diretamente essas redes de televisão nos vários países e por isso o interesse no futebol que tem índices muito altos de audiência suplantando os programas de auditório, novelas e filmes. Tem muito dinheiro envolvido aí porque audiência implica em publicidade, em vender o espaço publicitário na TV a um custo muito mais alto. Como tem muito dinheiro envolvido o imperialismo, principalmente o norte americano, quer controlar melhor esse negócio, mais de perto, porque é de onde vem parte do dinheiro para estabilizar a taxa de lucros.

A partir daí o imperialismo promoveu uma campanha para tentar impedir que a Rússia fosse a sede da Copa do Mundo nesse ano e propôs que o Qatar o fosse em 2022. Essa política não conseguiu avançar, mas por outro lado  deu início a enormes investidas contra a rede Globo e outras redes de TV com o propósito de desestabilizá-las financeiramente e comprá-las.  Não por acaso os dirigentes da Globo, a família Marinho, repassaram dessa empresa para seus próprios bolsos o equivalente a R$ 4 ou R$ 5 bilhões nos últimos dois anos, que é uma movimentação impossível de acontecer em uma empresa em expansão.