Sábado, 15 Dezembro 2018

trump e kin


Para entender a crise geral que está aberta é preciso entender a evolução política mundial como reflexo da crise da econômica capitalista. Por exemplo, terminou no dia 12 de junho a cúpula entre os presidentes dos EUA Donald Trump e da Coreia do Norte Kim Jong-un, em Cingapura. Essa reunião de cúpula deve ser entendida como uma espécie de cereja do bolo da crise. Vimos algumas análises que apareceram, inclusive de grupos ditos de esquerda, que consideram que essa reunião é um grande ataque ao Estado operário e começam a filosofar quanto a isso.

No mesmo caminho do Vietnã

O problema que nós temos nesse momento é de um plano muito mais amplo, não é somente um ataque contra o Estado Operário burocrático da Coreia do Norte, porque esse ataque já vem de 25 anos atrás. O pai de Kim Jong-un, o anterior presidente Kim Jong-il, também tentou abrir o país e avançou nesse sentido, inclusive com reuniões com Bill Clinton. A proposta era a mesma de hoje, ou seja, abrir mão do programa nuclear, que a Coreia do Norte permitisse investimentos estrangeiros, recebesse ajuda econômica e que pagasse um preço por isso, abrindo a economia.

O objetivo é o mesmo dos demais dirigentes dos Estados operários burocráticos e que foi seguida no Vietnã, por exemplo, com praticamente a abertura total da economia. Nesse país não existe mais a aposentadoria, que é um direito elementar, a saúde é cada vez mais privada e a educação a mesma coisa. É um país totalmente aberto ao sistema capitalista mundial, onde se tem uma burocracia burguesa interna que é quem governa o país por meio de um partido único.

O mesmo modelo de dominação aplicado na China e que estão agora querendo impor na Coreia do Norte. Tanto assim é que a aproximação que o regime da Coreia do Norte busca com a Coreia do Sul é a união dos regimes confederados onde os privilégios dessa cúpula burocrática sejam mantidos.

Sem dúvida que é um ataque ao Estado Operário burocrático, mas essa é uma parte do problema, que é mais amplo, porque essa política de integração ao sistema imperialista mundial está sendo colocada de maneira mais abrangente a partir da China e da Rússia.

A China e a Rússia são os alvos principais

No centro das contradições entre a China e a Rússia por um lado, e os EUA por outro, temos uma disputa entre as duas alas da burguesia, a burguesia imperialista e a burguesia das potências regionais, que não são imperialistas, no sentido de quem vai integrar esses países ao regime capitalista mundial.

Ainda é preciso ver se isso é possível porque o que vemos na China, e em menor escala na Rússia, é que há ataques contra os próprios ricos desses países. Na China, é necessário implantar uma política para controlar a nova burguesia porque, devido à crise e devido a esse desespero próprio dos capitalistas que atuam como uma personificação do capital, estes querem salvar e aumentar os lucros e fazem loucuras que podem implodir o próprio país.

Um bom exemplo disso foi o ocorrido em 2015 quando as bolsas de Xangai caíram violentamente, provocadas em parte pela pressão externa imperialista, mas principalmente pela fuga brutal de capital interno para o exterior que, na ânsia de salvar os lucros, esses capitalistas retiraram volumes enormes de capital interno e os enviaram para países mais baratos como Vietnã, Camboja, Mianmar, Indonésia, Tailândia e outros países da Ásia.

O objetivo da reunião entre Donald Trump e Kim Jong-un foi também de acabar com o Estado Operário burocrático mas não que a Coreia do Norte  seja um grande problema para o sistema capitalista mundial porque é um país super pobre, onde existe uma burocracia que impõe um regime policial, mas que ainda é obrigada a manter uma série de privilégios em programas sociais devido à pressão do movimento de massas.

O problema é que a crise nesse país é tão grande que a situação se tornou insustentável, pois a economia está engasgada e a pressão do imperialismo é muito forte. São obrigados a despender enormes gastos militares além dos gastos com os programas sociais. O que essa burocracia gostaria de fazer é o que todas as burocracias dos Estados Operários têm feito, ou seja, tentar abrir os países e implementar regimes ao estilo do Vietnã. Até em Cuba há um esforço nesse sentido, mas ali a situação é muito mais delicada devido à própria história da revolução cubana.

O acordo a que se chegou nessa cúpula foi muito vago. Basicamente a Coreia do norte "promete" parar com o programa nuclear e os EUA suspenderão os exercícios militares com a Coreia do Sul. Um acordo que vai ser trabalhado em cima das discussões entre o secretário de Estado Mike Pompeo, que é um general da ala mais reacionária da política norte americana, ex-diretor da CIA e altas autoridades da Coreia do Norte.

Por trás do jogo político há um problema muito maior em que a Coreia do Norte acaba sendo a ponta de lança e que é todo o problema relacionado com a China e a Rússia: a Organização de Cooperação de Xangai (OCX) e o problema das disputas da região do Pacífico da Ásia.

Nesse caso, a disputa é de como que essa unidade coreana vai ser estabelecida, sob o controle de quem? O imperialismo norte americano gostaria de fundir as duas Coreias e de ele mesmo controlar a península coreana contra a China e contra a Rússia. Sem entender essas disputas fica bastante difícil caracterizar o problema simplesmente dizendo que é um ataque contra o Estado operário norte coreano. Qual Estado operário em último caso? Não é o Estado operário norte coreano que importa aos EUA nesse momento porque é pouco representativo. O que importa é a China.

A China tem usado a Coreia do Norte como ponta de lança, por outro lado, para se opor à presença norte americana na região. Não esquecer que os norte americanos têm quase 30 mil soldados na Coreia do Sul, mais 50 mil no Japão, além de muitas bases militares espalhadas pela região. Há alguns meses atrás moveram para lá os chamados sistemas antimísseis de grande altitude THAAD, que possuem radares superpoderosos, com capacidade de 3 mil quilômetros e que, portanto, chegariam até Pequim. Ou seja, é um problema enorme para a segurança chinesa. Essa disputa na região envolve a luta pelo controle do mercado e do sistema político mundial.

O Irã no Novo Caminho da Seda

Deveríamos nos perguntar por que os EUA estão tratando tão suavemente a Coreia do Norte e, por outro lado, apertando tanto o Irã? Por que estão concentrando esforços contra o Irã com a ajuda de Israel, Arábia Saudita e Emirados Árabes? Porque o Irã é um país chave que faz parte da política da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), junto com a China e a Rússia.

Aí reside a grande disputa no Oriente Médio pelo controle geopolítico da região. O Irã faz parte, com um papel importantíssimo, do Novo Caminho da Seda, que é a política chinesa para driblar o controle dos EUA no fornecimento de energia à Europa. Os EUA controlam o estreito de Malaca que fica entre a Malásia e a Indonésia e que na parte principal tem 30 quilômetros de largura e por aí trafegam os porta-aviões norte americanos.

Temos de entender bem essa questão da destruição do Estado operário como parte de uma questão maior, que é a destruição dos avanços da onda de revoluções abertas pela Revolução Bolchevique de 1917. Portanto, é um problema muito maior. Como fazer para que a Rússia e a China se integrem ao mercado mundial vendendo suas empresas públicas, para dar mais um fôlego para o grande capital monopolista? O problema é que a China, apesar de ser uma potência regional, tem muita influência na economia global e que, devido à crise mundial, o bolo está se reduzindo.

O que aconteceu na reunião do chamado G7, realizada no Canadá, deveria ser motivo de uma profunda reflexão. Donald Trump abandonou a reunião das 7 maiores potências e, inclusive, insultou o primeiro-ministro canadense e todos os demais países. Aí não se trata da Coreia do Norte nem do Irã, mas estamos falando do Canadá, da Alemanha, da França. Chegou a chamar o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, de “desonesto e fraco”, quase como se fosse um traidor, etc.

Isso significa que há uma luta, e esse é o ponto principal, para controlar o mercado mundial porque o bolo ficou menor. E, também, que são políticas diversas que os monopólios estão buscando implantar para controlar justamente a queda da taxa de lucro. Isso implica também que, como se trata de um bolo só que está diminuindo, tiram um pedaço da fatia dos aliados.

Disputa inter-imperialista 

A guerra de tarifas contra a China tem a ver com isso e agora se transformou em guerra de tarifas contra a Europa. Aplicando tarifas contra o aço alemão, contra o aço do Japão. Essa crise abriu com nada menos que o Canadá com quem os EUA mantêm um comércio de mais ou menos US$ 600 bilhões por ano.

Portanto, o que nós temos é que os organismos colocados em pé em 1989, no chamado Consenso de Washington, que precisava estabilizar a queda da taxa de lucro de 1974, com a crise mundial do petróleo, esses organismos estão em falência apesar de serem muito turbulentos como a Organização Mundial do Comércio, como a Lei de Responsabilidade Fiscal e várias outros. Isso já não é suficiente para impor a política hegemônica do imperialismo norte americano em escala mundial. Se trata de uma crise generalizada em escala mundial.

Na Itália, por exemplo, essa crise ficou evidente com o resultado das últimas eleições. Na Espanha caiu o primeiro-ministro. Na Inglaterra tem o Brexit, o abandono da União Europeia. A França está numa crise enorme onde Macron, que foi imposto pelas 148 famílias que dominam o mundo, entre essas os Rothschild da qual é descendente, faz um governo muito fraco. A Alemanha está numa situação cada vez mais complexa devido à crise generalizada.

Enquanto a crise no imperialismo se acentua, temos que as potências regionais, especialmente a China e a Rússia, têm se movimentado e têm procurado aumentar a aliança e o controle do mercado mundial. Essa movimentação só pode avançar não por meio de “conversinhas”, mas, em algum momento, essa disputa tem de levar a grandes guerras além das que já existem. Não esquecer que Lenin já caracterizava no livro de 1916 “O Imperialismo Etapa Superior do Capitalismo”, que essa etapa é de enormes crises, guerras, revoluções e contrarrevoluções.

Aconteceu recentemente a reunião de Organização de Cooperação de Xangai, onde Paquistão e China são membros e o Irã está a caminho de se tornar membro. Isso significa que há toda uma situação aí de crise gigantesca entre potências regionais e potências imperialistas, numa situação de enorme disputa pelo mercado mundial.

Houve também o que seria o Davos dos russos onde participaram partes importantes do imperialismo europeu e chinês, que foi a Organização do Fórum Econômico de São Petersburgo e do Fórum Econômico da Organização de Cooperação de Xangai, em cima do Novo Caminho da Seda, que aconteceu em Astana, a capital do Cazaquistão.

Temos uma situação de crise gigantesca geral no mundo, onde as disputas internas entre as potências imperialistas começam a aparecer, o caminho centrípeto, ou seja, que começa a se afastar do controle do imperialismo, se acentua principalmente em cima da aliança China e Rússia e tudo isso está num bolo generalizado do aprofundamento da crise capitalista mundial.

Tudo isso faz parte do aprofundamento da crise, que tende a um novo colapso capitalista mundial que deverá acontecer inevitavelmente no próximo período.

+ Política

Fora Bolsonaro e o Golpe Militar!

Fora Bolsonaro e o Golpe Militar!

A crise está instalada no futuro governo com a denúncia de corrupção contra a família...

O que está acontecendo na França?

O que está acontecendo na França?

Os protestos que têm acontecido na França nas últimas semanas representam um dos principais sintomas...

A classe operária entrará em movimento?

A classe operária entrará em movimento?

A situação de levante popular na França indica uma mudança na situação da luta de...

A crise do lulismo e a luta dos trabalhadores

A crise do lulismo e a luta dos trabalhadores

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, liberou esta semana o julgamento de...

O fim do Lulismo

O fim do Lulismo

  A condenação de Lula de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção...

Liberdade para Lula!  Fora Bolsonaro e o golpe militar!

Liberdade para Lula! Fora Bolsonaro e o golpe militar!

O depoimento de Lula no dia 14 de novembro, sobre o processo do sítio de...

Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

A vitória de Jair Bolsonaro no Brasil faz parte da guerra “silenciosa” (híbrida, assíncrona, ou...

Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

  A chapa Bolsonaro/Paulo Guedes venceu as eleições presidenciais de 2018 porque o PT, apoiado...

Agora como farsa?

Agora como farsa?

Por Paulo Uribe A partir de golpe de Estado, em 31 de março de 1964,...

Golpe militar em andamento. O que fazer?

Golpe militar em andamento. O que fazer?

Os ataques contra os trabalhadores vêm de maneira acelerada com o governo Bolsonaro. Praticamente todos...

“Lei do Abate”, autonomia da polícia

“Lei do Abate”, autonomia da polícia

Quais as consequências para os trabalhadores e a população pobre e negra dos subúrbios? Por...

As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

O governo Bolsonaro já está, de fato, no comando do país. Nenhuma medida do governo...

A “esquerda” legalizou o golpe “bolsonarista”

A “esquerda” legalizou o golpe “bolsonarista”

  Desde o impeachment de Dilma, que foi um golpe parlamentar, a direita apertou o...

Como lutar contra o governo Bolsonaro?

Como lutar contra o governo Bolsonaro?

As eleições de outubro de 2018 representaram uma das maiores fraudes dos últimos tempos. A...

Contra o golpe militar em andamento! Nenhum acordo com Bolsonaro!

Contra o golpe militar em andamento! Nenhum acordo com Bolsonaro!

No segundo turno das eleições presidenciais no Brasil, venceu a fraude eleitoral do imperialismo norte-americano,...

Against the military coup in progress

Against the military coup in progress

BRAZIL No agreements with Bolsonaro   In the second round of presidential elections in Brazil,...

28 de outubro - Eleições de carta marcada - 00confirma

28 de outubro - Eleições de carta marcada - 00confirma

Nos últimos dias antes das eleições, ficou claro que além de ser um circo eleitoral,...

Bolsonaro, o Trump brasileiro

Bolsonaro, o Trump brasileiro

Encontro de Eduardo Bolsonaro com Steve Bannon Foto: Reprodução A vitória de Donald Trump em...

Muito mais que eleições, os trabalhadores precisam se organizar para lutar

Muito mais que eleições, os trabalhadores precisam se organizar para lutar

Por Antônio Fernando Analisando a conjuntura atual, vemos que a crise do sistema, que só...

O PT como oposição golpista consentida

O PT como oposição golpista consentida

É importante fazer a discussão do processo eleitoral compreendendo o contexto do golpe de Estado...

Bolsonaro não é fascista! Pode ser uma ameaça ainda maior!

Bolsonaro não é fascista! Pode ser uma ameaça ainda maior!

Por Sergio Lessa Há uma enorme confusão na avaliação do cenário político nacional, nestes dias...

Por que a vitória de Bolsonaro é praticamente certa?

Por que a vitória de Bolsonaro é praticamente certa?

O grande ponto que deve ser avaliado, em se tratando das eleições no Brasil, é...

A saga de um traidor. Doria e sua política (neo) liberal

A saga de um traidor. Doria e sua política (neo) liberal

Por Florisvaldo Lopes     No debate realizado pela TV Bandeirantes, o candidato do PSDB...

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Por Florisvaldo Lopes Após uma grande polarização entre Haddad (PT), uma aposta do imperialismo europeu,...

Haddad faz gol contra

Haddad faz gol contra

A campanha do PT no segundo turno está bem diferente da campanha do primeiro turno....

Haddad é Lula?

Haddad é Lula?

Recentemente apareceu nas notícias que Fernando Haddad teria visitado o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal...

Haddad, semeando derrotas

Haddad, semeando derrotas

A recente campanha de Fernando Haddad tem se mostrado um desastre completo que está conduzindo...

Haddad joga para perder

Haddad joga para perder

A campanha de Fernando Haddad, como candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), no segundo turno...

Haddad joga para perder no 2º turno?

Haddad joga para perder no 2º turno?

    As eleições de 2018 acontecem como parte do processo golpista e servem para...

A delação de Palocci pode derrubar Haddad?

A delação de Palocci pode derrubar Haddad?

Recentemente foram liberadas pelo juiz Sergio Moro as delações do ex-ministro Antonio Palocci, há 6...

O STF e o Golpe

O STF e o Golpe

O golpe de Estado no Brasil progride com contradições, mas progride. Já temos falado várias...

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Na semana passada foi realizada na grande mídia uma campanha de desconstrução da candidatura de...

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Por Florisvaldo Lopes O imperialismo, principalmente o norte-americano, que deu o golpe na dita “democracia”...

Haddad “adotado” pelos Rothschild?

Haddad “adotado” pelos Rothschild?

É corrente nos meios de comunicação de massas a afirmação de que as eleições deste...

Rachaduras na candidatura Bolsonaro

Rachaduras na candidatura Bolsonaro

O evento mais importante da semana foi a matéria de capa da revista The Economist,...

O roteiro golpista no Brasil

O roteiro golpista no Brasil

O golpe de Estado deve ser visto como um processo que começa em 2005 na...

A candidatura Haddad e as eleições golpistas

A candidatura Haddad e as eleições golpistas

Esta semana tivemos a oportunidade de observar como a burguesia manipula o processo eleitoral especificamente...

América Latina rumo ao precipício

América Latina rumo ao precipício

A crise capitalista mundial tem forte influência no Brasil e na América Latina. O centro...

Bolsonaro e os militares

Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL),...

Venezuela – qual o significado das novas medidas econômicas?

Venezuela – qual o significado das novas medidas econômicas?

  Entrou em vigor, no dia 20 de agosto, o pacote de medidas econômicas adotas...

Aos trabalhadores brasileiros

Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises...

Bolsonaro - mais que uma facada

Bolsonaro - mais que uma facada

O recente ataque a Bolsonaro durante caminhada em Juiz de Fora/MG, acabou representando todo um...

Como se posicionar nas eleições golpistas?  #00Confirma

Como se posicionar nas eleições golpistas? #00Confirma

O candidato tucano do PT, Fernando Haddad, pode até decolar, mas vai encontrar muitos ataques...

É ilusão pensar que é possível repetir o governo Lula

É ilusão pensar que é possível repetir o governo Lula

  A propaganda eleitoral do Partido dos Trabalhadores está calcada em cima da perseguição política...

Lula com 40% e o imperialismo ainda não definiu seu candidato

Lula com 40% e o imperialismo ainda não definiu seu candidato

  Lula é líder absoluto nas pesquisas de intenção de voto para presidente da república....

Haddad X Bolsonaro no 2º turno?   #00confirma

Haddad X Bolsonaro no 2º turno? #00confirma

  Esta semana, as pesquisas de intenção de voto à Presidência da República deram a...

O que revelam as pesquisas eleitorais - #00confirma

O que revelam as pesquisas eleitorais - #00confirma

A esquerda ligada à política eleitoreira e de conciliação de classes tem impulsionado uma série...

#00confirma

#00confirma

A ditadura do judiciário fica cada vez mais clara em todos os sentidos, apesar deste...

O imperialismo e os donos da padaria

O imperialismo e os donos da padaria

Para quem diz que Alckmin é o candidato natural do imperialismo tem de ver que...

Gazeta Revolucionária [pdf]

 gr19 capa

Números Anteriores


AcordaTI 01capa  


 Acorda Vargem Grande 0 capa


Acorda Educador 0 capa