Quarta, 21 Novembro 2018

fg

Ao aprofundamento da crise capitalista nos países desenvolvidos tem se somado a crise de países atrasados, como a Argentina e a Turquia. A crise na Rússia é tão grande que o governo foi obrigado a reduzir os gastos militares em 20%, apesar da principal aposta do governo de Vladimir Putin  no setor militar.

A política tanto dos países desenvolvidos como dos países atrasados é a de aumentar o parasitismo por imposição do grande capital, inclusive porque não têm outra escolha por estarem integrados ao mercado mundial. Por esse motivo, tendem a acirrar-se as contradições de classes de maneira generalizada. Nesse sentido, houve recentemente o aumento dos preços do petróleo e a desvalorização do dólar. No caso da América Latina, foram usadas todas as denúncias da Odebrecht para começar a varredura geral do regime político atual com o objetivo de impor a contenção de gastos públicos para repassar esses recursos diretamente para os especuladores internacionais.

A crise mundial, portanto, reflete uma guerra comercial que, neste momento, se expressa numa guerra fundamentalmente entre os Estados Unidos e a China. Como toda guerra comercial e econômica tende a se transformar numa guerra política e, consequentemente, numa guerra militar. Como afirmou o célebre estrategista da época de Bismark, Von Clausewitz, "a guerra é a continuação da política por outros meios".

As guerras do imperialismo em crise

Como pano de fundo da guerra comercial entre Estados Unidos e China, Donald Trump quer que o déficit entre esses países seja reduzido em mais de US$ 200 bilhões e tem colocado nesse contexto ataques à empresas chinesas de primeira linha, como a ZTE e a Huawei , que se encontram na linha de frente do expansionismo chinês, a partir das empresas de tecnologia.

No caso do aço, Trump também aplicou tarifas contra a Europa e o Japão o que tem elevado ainda mais as contradições dos países europeus com os Estados Unidos e que coloca a pergunta se os mecanismos levantados no Consenso de Washington, como a OMC (Organização Mundial do Comércio), se encontram no fim.

As reuniões entre Kim Jon-u, presidente da Coréia do Norte, e Lee Nak-yeon, primeiro ministro da Coréia do Sul, abriram caminho à reunificação dos dois países com a benção do imperialismo. Donald Trump se reunirá com Kim Jon-u em Singapura no dia 12 de junho. Os Estados Unidos tentam controlar essa eventual reunificação para controlar a região contra a China, que é o principal alvo. A própria instalação na Coreia do Sul dos mísseis de alta altitude, os THAAD, com alcance de três mil quilômetros, com a desculpa do “perigo” iminente de uma guerra nuclear com a Coreia do Norte tinha como objetivo apertar o cerco contra a China e parte da Rússia, que já se encontra sob o cerco da OTAN (Organização do Atlântico Norte) na Europa.

Após o colapso capitalista de 2008, a China e a Rússia, que representam as duas principais potências regionais, minimizaram as contradições históricas, se aproximaram e hoje representam um dos principais eixos das contradições com o imperialismo norte-americano. A participação no chamado Novo Caminho da Seda e na Organização de Cooperação de Xangai aumenta a disputa, pois coloca uma nova divisão do mercado mundial, que tem sido disputado por meio de enormes e sangrentas guerras.

A “guerra comercial”, que tem aumentado, só pode ser o prelúdio da guerra econômica aberta, que é o prelúdio da guerra política, que é o prelúdio da guerra militar, que é a continuação da política por outros meios. A China também tem reagido às pressões do imperialismo com uma série de movimentações entre as quais o recente encontro do presidente chinês Xi Jinping com o primeiro ministro da Índia Narendra Modi. Isso é muito importante porque existem contradições muito grandes entre a China e a Índia, então há aqui uma movimentação chinesa para tentar minimizar essas contradições.

O desenvolvimento da situação política mostra que a etapa atual aprofunda a situação que Vladimir Ilich Lenin tinha analisado em 1916, no livro O Imperialismo Etapa Superior do Capitalismo. Longe de se tratar de uma época democrática, o domínio generalizado dos monopólios representa o aumento da disputa pela riqueza social, pelo controle do mercado mundial, pela contenção da queda da taxa de lucros; se trata de uma etapa de guerras, contrarrevoluções e revoluções.

A classe operária mundial se encontra semi paralisada há três décadas por causa das políticas neoliberais e a traição da burocracia política e sindical, principalmente após a queda do Muro de Berlim (1989). Mas a profundidade da crise e dos ataques, que tem na base a crescente queda da taxa de lucros, tende a colocá-la em movimento novamente, como o principal peso pesado da sociedade em escala mundial.

O Oriente Médio na linha de frente de uma guerra em larga escala

No dia 8 de maio de 2018, foi anunciado que o governo de Donald Trump abandonou o acordo nuclear com o Irã. Isso significa que a estabilização da região do Oriente Médio colocada por Obama foi abandonada. Donald Trump já não controla mais um governo. Ele é uma espécie de rainha da Inglaterra que conta pouco, que tem por trás os chamados neo conservadores. A situação tende a se desestabilizar por completo com a atuação do primeiro ministro de Israel, Netanyahu , com a atuação da Arábia Saudita e assim sucessivamente. Se trata de uma situação altamente explosiva que somente pode levar a uma nova crise de enormes proporções na região. Os mais de 60 mortos palestinos nos protestos contra a mudança da embaixada dos Estados Unidos em Israel para Jerusalém, com dezenas de milhares de manifestantes nos funerais, volta a colocar em pauta a Intifada Palestina, o que aumenta o combustível revolucionário na região.

Como resultado das eleições parlamentares no Líbano o Hizbollah, que é a poderosa milícia ligada ao governo dos aiatolás do Irã, e seus aliados tiveram um crescimento enorme enquanto os grupos ligados à Arábia Saudita tiveram perdas consideráveis. O Hizbollah foi o responsável pela derrota militar de Israel no ano 2000, quando o Exército sionista foi obrigado a se retirar do sul do Líbano, e de 2006, quando um novo ataque sionista foi repelido com relativa facilidade. O sionismo israelense representa o revolver do imperialismo apontado contra a cabeça dos povos árabes no Oriente Médio.

Em cima da crise da política do imperialismo no Oriente Médio aumentou, obviamente, o poder da Rússia nessa região e por trás dessa está a China.

 faixa de gaza

 

A Europa e o eixo China-Rússia

O aumento das contradições inclui o enfraquecimento da Europa que gravita, relativamente, em torno dos Estados Unidos. No entanto, devido à crise, a Europa se aproxima, com muitas contradições, ao eixo das potências regionais China e Rússia. É a política do salve-se quem puder (da crise capitalista) em andamento.

A Europa mantém contradições internas enormes, principalmente entre Inglaterra, Alemanha e França. Na França, a política encabeçada por  Emmanuel Macron é muito ligada à de Donald Trump . Há também a política da Alemanha, de maior independência dos Estados Unidos e maior aproximação com a Rússia e a China. Inclusive com a tendência (vontade) à construção de um exército independente da OTAN (Organização do Atlântico Norte).

Tem havido um aumento de salários na Europa, embora esse esteja acompanhado da deterioração das condições de trabalho. Na Alemanha, os funcionários públicos tiveram aumento de 4,5% e os metalúrgicos de 7,5%, com redução da jornada de trabalho, embora isso seja minimizado em grande medida pelo aprofundamento das políticas “neoliberais” que autorizam as subcontratações. Como um todo, a política da Alemanha lhe tem gerado superávits comerciais de 200 bilhões de euros por ano, mas às custas do aprofundamento da crise em outros países europeus, que avança da periferia em direção ao centro do capitalismo europeu.

Teses fundamentais sobre a crise capitalista mundial

Tese número 1: A crise mundial aumenta em cima da crise econômica que é cada vez mais brutal. O mundo como um todo se dirige a um novo colapso capitalista mundial, muito maior que o de 2008. O Brasil tende a ficar na linha de frente do novo colapso capitalista, junto com a Argentina;

Tese número 2: A crise econômica, que cada vez mais se acentua, se encontra na base da crise política em escala mundial;

Tese número 3: O imperialismo para conter a crise política e impor maiores ataques contra os trabalhadores com o objetivo de salvar a taxa de lucros, se encaminha em escala mundial a avançar por fora do parlamento, para regimes de cunho bonapartista, ditaduras burocráticas policiais, que, no caso dos países mais atrasados, colocam o exército como instrumento de primeira ordem;

Tese número 4: Para impor ditaduras burocráticas policiais o imperialismo se vale das chamadas "revoluções coloridas", que tem sido a política norte americana implementada a partir do conselheiro de Segurança Nacional Zibigniew Bzezinski, de origem polonesa, nos anos de 1980, e que tem como tática promover uma série de movimentações de massas para mudar os regimes políticos. Essa política foi aplicada, por excelência, durante a queda da União Soviética, em países como a Ucrânia, a Geórgia, a Armênia, as repúblicas da Ásia Central, na Albânia, no início da década de 1990 na Iugoslávia, e assim sucessivamente. Agora, por exemplo, está sendo aplicada no Brasil e em toda a América latina. Como instrumento dessa política, a Odebrecht foi usada como eixo para propagandear que todos os políticos integrados ao regime são corruptos e que deveriam ser tirados do cenário político e substituídos pelos supostos menos corruptos, ou, melhor ainda, por uma nova onda de ditaduras militares.

Tese número 5: As teses colocadas por Vladimir Ilich Lenin, no livro "Imperialismo Fase Superior do Capitalismo", de 1916, continuam atuais, como, por exemplo, caracterizar a etapa atual como uma época de crises econômicas, onde o momento de superação da crise é cada vez menor, de guerras inevitáveis em cima do aumento da disputa pelo controle do mercado mundial e de revoluções, porque as guerras pela divisão do mercado entre os países imperialistas são inevitáveis e levam cada vez  mais às revoluções sociais. A revolução é a irmã gêmea da contrarrevolução. Da mesma maneira que a burguesia é a irmã gêmea do proletariado.

+ Política

Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

A vitória de Jair Bolsonaro no Brasil faz parte da guerra “silenciosa” (híbrida, assíncrona, ou...

Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

  A chapa Bolsonaro/Paulo Guedes venceu as eleições presidenciais de 2018 porque o PT, apoiado...

Agora como farsa?

Agora como farsa?

Por Paulo Uribe A partir de golpe de Estado, em 31 de março de 1964,...

Golpe militar em andamento. O que fazer?

Golpe militar em andamento. O que fazer?

Os ataques contra os trabalhadores vêm de maneira acelerada com o governo Bolsonaro. Praticamente todos...

“Lei do Abate”, autonomia da polícia

“Lei do Abate”, autonomia da polícia

Quais as consequências para os trabalhadores e a população pobre e negra dos subúrbios? Por...

As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

O governo Bolsonaro já está, de fato, no comando do país. Nenhuma medida do governo...

A “esquerda” legalizou o golpe “bolsonarista”

A “esquerda” legalizou o golpe “bolsonarista”

  Desde o impeachment de Dilma, que foi um golpe parlamentar, a direita apertou o...

Como lutar contra o governo Bolsonaro?

Como lutar contra o governo Bolsonaro?

As eleições de outubro de 2018 representaram uma das maiores fraudes dos últimos tempos. A...

Contra o golpe militar em andamento! Nenhum acordo com Bolsonaro!

Contra o golpe militar em andamento! Nenhum acordo com Bolsonaro!

No segundo turno das eleições presidenciais no Brasil, venceu a fraude eleitoral do imperialismo norte-americano,...

Against the military coup in progress

Against the military coup in progress

BRAZIL No agreements with Bolsonaro   In the second round of presidential elections in Brazil,...

28 de outubro - Eleições de carta marcada - 00confirma

28 de outubro - Eleições de carta marcada - 00confirma

Nos últimos dias antes das eleições, ficou claro que além de ser um circo eleitoral,...

Bolsonaro, o Trump brasileiro

Bolsonaro, o Trump brasileiro

Encontro de Eduardo Bolsonaro com Steve Bannon Foto: Reprodução A vitória de Donald Trump em...

Muito mais que eleições, os trabalhadores precisam se organizar para lutar

Muito mais que eleições, os trabalhadores precisam se organizar para lutar

Por Antônio Fernando Analisando a conjuntura atual, vemos que a crise do sistema, que só...

O PT como oposição golpista consentida

O PT como oposição golpista consentida

É importante fazer a discussão do processo eleitoral compreendendo o contexto do golpe de Estado...

Bolsonaro não é fascista! Pode ser uma ameaça ainda maior!

Bolsonaro não é fascista! Pode ser uma ameaça ainda maior!

Por Sergio Lessa Há uma enorme confusão na avaliação do cenário político nacional, nestes dias...

Por que a vitória de Bolsonaro é praticamente certa?

Por que a vitória de Bolsonaro é praticamente certa?

O grande ponto que deve ser avaliado, em se tratando das eleições no Brasil, é...

A saga de um traidor. Doria e sua política (neo) liberal

A saga de um traidor. Doria e sua política (neo) liberal

Por Florisvaldo Lopes     No debate realizado pela TV Bandeirantes, o candidato do PSDB...

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Segundo turno. Duas caras da mesma moeda

Por Florisvaldo Lopes Após uma grande polarização entre Haddad (PT), uma aposta do imperialismo europeu,...

Haddad faz gol contra

Haddad faz gol contra

A campanha do PT no segundo turno está bem diferente da campanha do primeiro turno....

Haddad é Lula?

Haddad é Lula?

Recentemente apareceu nas notícias que Fernando Haddad teria visitado o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal...

Haddad, semeando derrotas

Haddad, semeando derrotas

A recente campanha de Fernando Haddad tem se mostrado um desastre completo que está conduzindo...

Haddad joga para perder

Haddad joga para perder

A campanha de Fernando Haddad, como candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), no segundo turno...

Haddad joga para perder no 2º turno?

Haddad joga para perder no 2º turno?

    As eleições de 2018 acontecem como parte do processo golpista e servem para...

A delação de Palocci pode derrubar Haddad?

A delação de Palocci pode derrubar Haddad?

Recentemente foram liberadas pelo juiz Sergio Moro as delações do ex-ministro Antonio Palocci, há 6...

O STF e o Golpe

O STF e o Golpe

O golpe de Estado no Brasil progride com contradições, mas progride. Já temos falado várias...

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Voto nulo nas eleições golpistas #00confirma

Na semana passada foi realizada na grande mídia uma campanha de desconstrução da candidatura de...

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Mudança imperialista aos 45 minutos do 1.º tempo do jogo político no Brasil.

Por Florisvaldo Lopes O imperialismo, principalmente o norte-americano, que deu o golpe na dita “democracia”...

Haddad “adotado” pelos Rothschild?

Haddad “adotado” pelos Rothschild?

É corrente nos meios de comunicação de massas a afirmação de que as eleições deste...

Rachaduras na candidatura Bolsonaro

Rachaduras na candidatura Bolsonaro

O evento mais importante da semana foi a matéria de capa da revista The Economist,...

O roteiro golpista no Brasil

O roteiro golpista no Brasil

O golpe de Estado deve ser visto como um processo que começa em 2005 na...

A candidatura Haddad e as eleições golpistas

A candidatura Haddad e as eleições golpistas

Esta semana tivemos a oportunidade de observar como a burguesia manipula o processo eleitoral especificamente...

América Latina rumo ao precipício

América Latina rumo ao precipício

A crise capitalista mundial tem forte influência no Brasil e na América Latina. O centro...

Bolsonaro e os militares

Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL),...

Venezuela – qual o significado das novas medidas econômicas?

Venezuela – qual o significado das novas medidas econômicas?

  Entrou em vigor, no dia 20 de agosto, o pacote de medidas econômicas adotas...

Aos trabalhadores brasileiros

Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises...

Bolsonaro - mais que uma facada

Bolsonaro - mais que uma facada

O recente ataque a Bolsonaro durante caminhada em Juiz de Fora/MG, acabou representando todo um...

Como se posicionar nas eleições golpistas?  #00Confirma

Como se posicionar nas eleições golpistas? #00Confirma

O candidato tucano do PT, Fernando Haddad, pode até decolar, mas vai encontrar muitos ataques...

É ilusão pensar que é possível repetir o governo Lula

É ilusão pensar que é possível repetir o governo Lula

  A propaganda eleitoral do Partido dos Trabalhadores está calcada em cima da perseguição política...

Lula com 40% e o imperialismo ainda não definiu seu candidato

Lula com 40% e o imperialismo ainda não definiu seu candidato

  Lula é líder absoluto nas pesquisas de intenção de voto para presidente da república....

Haddad X Bolsonaro no 2º turno?   #00confirma

Haddad X Bolsonaro no 2º turno? #00confirma

  Esta semana, as pesquisas de intenção de voto à Presidência da República deram a...

O que revelam as pesquisas eleitorais - #00confirma

O que revelam as pesquisas eleitorais - #00confirma

A esquerda ligada à política eleitoreira e de conciliação de classes tem impulsionado uma série...

#00confirma

#00confirma

A ditadura do judiciário fica cada vez mais clara em todos os sentidos, apesar deste...

O imperialismo e os donos da padaria

O imperialismo e os donos da padaria

Para quem diz que Alckmin é o candidato natural do imperialismo tem de ver que...

O circo eleitoral

O circo eleitoral

O ponto que devemos destacar nessa semana é a continuidade do circo eleitoral. O debate...

A candidatura de Lula e o bonapartismo do Judiciário

A candidatura de Lula e o bonapartismo do Judiciário

  O Partido dos Trabalhadores (PT) registrou a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva...

A China no mercado mundial

A China no mercado mundial

A China é um elemento muito importante de estabilidade do capitalismo mundial. Para estabilizar a...

Crise na Turquia

Crise na Turquia

O caso da Turquia é muito interessante porque revela que a crise se desenvolve meio...

PT. Nem demônio como fala a direita, nem anjo como defende a esquerda

PT. Nem demônio como fala a direita, nem anjo como defende a esquerda

Os erros da política do PT são mantidos ocultos aos olhos da maioria dos trabalhadores....

Debate ridículo entre os presidenciáveis

Debate ridículo entre os presidenciáveis

O fato mais relevante dessa semana foi o debate dos candidatos à Presidência da República...

Gazeta Revolucionária [pdf]

 gr16 capa

 gr15capa