Quarta, 18 Julho 2018

fg

Ao aprofundamento da crise capitalista nos países desenvolvidos tem se somado a crise de países atrasados, como a Argentina e a Turquia. A crise na Rússia é tão grande que o governo foi obrigado a reduzir os gastos militares em 20%, apesar da principal aposta do governo de Vladimir Putin  no setor militar.

A política tanto dos países desenvolvidos como dos países atrasados é a de aumentar o parasitismo por imposição do grande capital, inclusive porque não têm outra escolha por estarem integrados ao mercado mundial. Por esse motivo, tendem a acirrar-se as contradições de classes de maneira generalizada. Nesse sentido, houve recentemente o aumento dos preços do petróleo e a desvalorização do dólar. No caso da América Latina, foram usadas todas as denúncias da Odebrecht para começar a varredura geral do regime político atual com o objetivo de impor a contenção de gastos públicos para repassar esses recursos diretamente para os especuladores internacionais.

A crise mundial, portanto, reflete uma guerra comercial que, neste momento, se expressa numa guerra fundamentalmente entre os Estados Unidos e a China. Como toda guerra comercial e econômica tende a se transformar numa guerra política e, consequentemente, numa guerra militar. Como afirmou o célebre estrategista da época de Bismark, Von Clausewitz, "a guerra é a continuação da política por outros meios".

As guerras do imperialismo em crise

Como pano de fundo da guerra comercial entre Estados Unidos e China, Donald Trump quer que o déficit entre esses países seja reduzido em mais de US$ 200 bilhões e tem colocado nesse contexto ataques à empresas chinesas de primeira linha, como a ZTE e a Huawei , que se encontram na linha de frente do expansionismo chinês, a partir das empresas de tecnologia.

No caso do aço, Trump também aplicou tarifas contra a Europa e o Japão o que tem elevado ainda mais as contradições dos países europeus com os Estados Unidos e que coloca a pergunta se os mecanismos levantados no Consenso de Washington, como a OMC (Organização Mundial do Comércio), se encontram no fim.

As reuniões entre Kim Jon-u, presidente da Coréia do Norte, e Lee Nak-yeon, primeiro ministro da Coréia do Sul, abriram caminho à reunificação dos dois países com a benção do imperialismo. Donald Trump se reunirá com Kim Jon-u em Singapura no dia 12 de junho. Os Estados Unidos tentam controlar essa eventual reunificação para controlar a região contra a China, que é o principal alvo. A própria instalação na Coreia do Sul dos mísseis de alta altitude, os THAAD, com alcance de três mil quilômetros, com a desculpa do “perigo” iminente de uma guerra nuclear com a Coreia do Norte tinha como objetivo apertar o cerco contra a China e parte da Rússia, que já se encontra sob o cerco da OTAN (Organização do Atlântico Norte) na Europa.

Após o colapso capitalista de 2008, a China e a Rússia, que representam as duas principais potências regionais, minimizaram as contradições históricas, se aproximaram e hoje representam um dos principais eixos das contradições com o imperialismo norte-americano. A participação no chamado Novo Caminho da Seda e na Organização de Cooperação de Xangai aumenta a disputa, pois coloca uma nova divisão do mercado mundial, que tem sido disputado por meio de enormes e sangrentas guerras.

A “guerra comercial”, que tem aumentado, só pode ser o prelúdio da guerra econômica aberta, que é o prelúdio da guerra política, que é o prelúdio da guerra militar, que é a continuação da política por outros meios. A China também tem reagido às pressões do imperialismo com uma série de movimentações entre as quais o recente encontro do presidente chinês Xi Jinping com o primeiro ministro da Índia Narendra Modi. Isso é muito importante porque existem contradições muito grandes entre a China e a Índia, então há aqui uma movimentação chinesa para tentar minimizar essas contradições.

O desenvolvimento da situação política mostra que a etapa atual aprofunda a situação que Vladimir Ilich Lenin tinha analisado em 1916, no livro O Imperialismo Etapa Superior do Capitalismo. Longe de se tratar de uma época democrática, o domínio generalizado dos monopólios representa o aumento da disputa pela riqueza social, pelo controle do mercado mundial, pela contenção da queda da taxa de lucros; se trata de uma etapa de guerras, contrarrevoluções e revoluções.

A classe operária mundial se encontra semi paralisada há três décadas por causa das políticas neoliberais e a traição da burocracia política e sindical, principalmente após a queda do Muro de Berlim (1989). Mas a profundidade da crise e dos ataques, que tem na base a crescente queda da taxa de lucros, tende a colocá-la em movimento novamente, como o principal peso pesado da sociedade em escala mundial.

O Oriente Médio na linha de frente de uma guerra em larga escala

No dia 8 de maio de 2018, foi anunciado que o governo de Donald Trump abandonou o acordo nuclear com o Irã. Isso significa que a estabilização da região do Oriente Médio colocada por Obama foi abandonada. Donald Trump já não controla mais um governo. Ele é uma espécie de rainha da Inglaterra que conta pouco, que tem por trás os chamados neo conservadores. A situação tende a se desestabilizar por completo com a atuação do primeiro ministro de Israel, Netanyahu , com a atuação da Arábia Saudita e assim sucessivamente. Se trata de uma situação altamente explosiva que somente pode levar a uma nova crise de enormes proporções na região. Os mais de 60 mortos palestinos nos protestos contra a mudança da embaixada dos Estados Unidos em Israel para Jerusalém, com dezenas de milhares de manifestantes nos funerais, volta a colocar em pauta a Intifada Palestina, o que aumenta o combustível revolucionário na região.

Como resultado das eleições parlamentares no Líbano o Hizbollah, que é a poderosa milícia ligada ao governo dos aiatolás do Irã, e seus aliados tiveram um crescimento enorme enquanto os grupos ligados à Arábia Saudita tiveram perdas consideráveis. O Hizbollah foi o responsável pela derrota militar de Israel no ano 2000, quando o Exército sionista foi obrigado a se retirar do sul do Líbano, e de 2006, quando um novo ataque sionista foi repelido com relativa facilidade. O sionismo israelense representa o revolver do imperialismo apontado contra a cabeça dos povos árabes no Oriente Médio.

Em cima da crise da política do imperialismo no Oriente Médio aumentou, obviamente, o poder da Rússia nessa região e por trás dessa está a China.

 faixa de gaza

 

A Europa e o eixo China-Rússia

O aumento das contradições inclui o enfraquecimento da Europa que gravita, relativamente, em torno dos Estados Unidos. No entanto, devido à crise, a Europa se aproxima, com muitas contradições, ao eixo das potências regionais China e Rússia. É a política do salve-se quem puder (da crise capitalista) em andamento.

A Europa mantém contradições internas enormes, principalmente entre Inglaterra, Alemanha e França. Na França, a política encabeçada por  Emmanuel Macron é muito ligada à de Donald Trump . Há também a política da Alemanha, de maior independência dos Estados Unidos e maior aproximação com a Rússia e a China. Inclusive com a tendência (vontade) à construção de um exército independente da OTAN (Organização do Atlântico Norte).

Tem havido um aumento de salários na Europa, embora esse esteja acompanhado da deterioração das condições de trabalho. Na Alemanha, os funcionários públicos tiveram aumento de 4,5% e os metalúrgicos de 7,5%, com redução da jornada de trabalho, embora isso seja minimizado em grande medida pelo aprofundamento das políticas “neoliberais” que autorizam as subcontratações. Como um todo, a política da Alemanha lhe tem gerado superávits comerciais de 200 bilhões de euros por ano, mas às custas do aprofundamento da crise em outros países europeus, que avança da periferia em direção ao centro do capitalismo europeu.

Teses fundamentais sobre a crise capitalista mundial

Tese número 1: A crise mundial aumenta em cima da crise econômica que é cada vez mais brutal. O mundo como um todo se dirige a um novo colapso capitalista mundial, muito maior que o de 2008. O Brasil tende a ficar na linha de frente do novo colapso capitalista, junto com a Argentina;

Tese número 2: A crise econômica, que cada vez mais se acentua, se encontra na base da crise política em escala mundial;

Tese número 3: O imperialismo para conter a crise política e impor maiores ataques contra os trabalhadores com o objetivo de salvar a taxa de lucros, se encaminha em escala mundial a avançar por fora do parlamento, para regimes de cunho bonapartista, ditaduras burocráticas policiais, que, no caso dos países mais atrasados, colocam o exército como instrumento de primeira ordem;

Tese número 4: Para impor ditaduras burocráticas policiais o imperialismo se vale das chamadas "revoluções coloridas", que tem sido a política norte americana implementada a partir do conselheiro de Segurança Nacional Zibigniew Bzezinski, de origem polonesa, nos anos de 1980, e que tem como tática promover uma série de movimentações de massas para mudar os regimes políticos. Essa política foi aplicada, por excelência, durante a queda da União Soviética, em países como a Ucrânia, a Geórgia, a Armênia, as repúblicas da Ásia Central, na Albânia, no início da década de 1990 na Iugoslávia, e assim sucessivamente. Agora, por exemplo, está sendo aplicada no Brasil e em toda a América latina. Como instrumento dessa política, a Odebrecht foi usada como eixo para propagandear que todos os políticos integrados ao regime são corruptos e que deveriam ser tirados do cenário político e substituídos pelos supostos menos corruptos, ou, melhor ainda, por uma nova onda de ditaduras militares.

Tese número 5: As teses colocadas por Vladimir Ilich Lenin, no livro "Imperialismo Fase Superior do Capitalismo", de 1916, continuam atuais, como, por exemplo, caracterizar a etapa atual como uma época de crises econômicas, onde o momento de superação da crise é cada vez menor, de guerras inevitáveis em cima do aumento da disputa pelo controle do mercado mundial e de revoluções, porque as guerras pela divisão do mercado entre os países imperialistas são inevitáveis e levam cada vez  mais às revoluções sociais. A revolução é a irmã gêmea da contrarrevolução. Da mesma maneira que a burguesia é a irmã gêmea do proletariado.

+ Política

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

No domingo, dia 8 de julho, fomos surpreendidos com o ato de um desembargador do...

A política do imperialismo alimenta a crise

A política do imperialismo alimenta a crise

A política mundial é um reflexo da crise econômica, ela tem papel de responder essa...

Luta operária e sindical no Brasil  - Parte II

Luta operária e sindical no Brasil - Parte II

Para entender qual deve ser a tendência da burocracia para o futuro dos sindicatos devemos...

A crise da direita e as contradições do golpe

A crise da direita e as contradições do golpe

  As ações golpistas, no Brasil, seguem no sentido do controle do regime político pelo...

A esquerda ornitorrinco e as eleições de outubro

A esquerda ornitorrinco e as eleições de outubro

Seria importante, neste momento, que a esquerda pudesse evitar fazer a repetição da história como...

Luta operária e sindical no Brasil

Luta operária e sindical no Brasil

Para contextualizar dialeticamente os sindicatos e a luta operária devemos analisar a partir do início...

Nem Lula transferindo votos salva a esquerda da crise

Nem Lula transferindo votos salva a esquerda da crise

  A situação nacional está marcada por uma enorme crise econômica que atinge o país...

Para os amigos as benesses da lei, para os inimigos o rigor da lei!

Para os amigos as benesses da lei, para os inimigos o rigor da lei!

  A “luta contra a corrupção” não é nada mais do que uma desculpa utilizada...

O STF no centro do furacão

O STF no centro do furacão

   Para avaliar em que ponto o golpe de Estado no Brasil se encontra hoje...

Na crise capitalista mundial: revolução cultural ou revolução proletária?

Na crise capitalista mundial: revolução cultural ou revolução proletária?

  A esquerda pequeno-burguesa promove a ideia de que a revolução seria feita pelo conhecimento,...

Contagem regressiva para a guerra mundial

Contagem regressiva para a guerra mundial

Após a crise capitalista mundial de 2008 as contradições interimperialistas começaram a aumentar, principalmente entre...

A Rede Globo e o FBI

A Rede Globo e o FBI

  Desde a crise de 2008 o mundo não e mais o mesmo, os grandes...

Copa do Mundo e Golpe de Estado

Copa do Mundo e Golpe de Estado

É absolutamente normal que a burguesia, principalmente sua ala direita, promova manipulações utilizando o futebol...

Voto Nulo nas Eleições Golpistas!

Voto Nulo nas Eleições Golpistas!

Estamos vivendo, hoje, no Brasil, um processo político de golpe de Estado. Apesar de que...

A Coreia do Norte e a crise mundial

A Coreia do Norte e a crise mundial

Para entender a crise geral que está aberta é preciso entender a evolução política mundial...

Estava cheia de si e dormiu

Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste...

Ciro Gomes com o pé na lama

Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita...

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

O problema no Brasil deve ser sempre entendido dentro da evolução da crise capitalista mundial...

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

O ponto central do balanço é se essa greve foi uma greve em si, se...

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Reunião de militares candidatos em Brasília, dia 8 de maio de 2018 Apareceram nos últimos...

A crise capitalista na Itália

A crise capitalista na Itália

 Há dez anos da crise de 2008, a economia capitalista mundial vem se mantendo em...

E por falar na CIA

E por falar na CIA

  O regime político no Brasil e no mundo avança para um regime mais duro,...

A esquerda sobre rodas

A esquerda sobre rodas

    O movimento dos caminhoneiros, ocorrido nos últimos dias de maio, colocou o governo...

A Crise na Venezuela

A Crise na Venezuela

A Venezuela é um caso muito interessante, sui generis. Foi o primeiro país a entrar...

 A política de terra arrasada para a Petrobras

A política de terra arrasada para a Petrobras

  A política que tem sido aplicada na Petrobras é uma política de terra arrasada...

A "frente popular" e o balaio de gatos

A "frente popular" e o balaio de gatos

A política real do PT, que encabeça a Frente Popular, é a política de Frente...

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

  Nesses dias se "comemorou" dois anos de governo Temer no Brasil. Neste governo Temer o...

A verdade sobre a  luta contra a corrupção

A verdade sobre a luta contra a corrupção

  Em primeiro lugar o imperialismo norte americano assim como o imperialismo como um todo,...

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

  Era certo que, mais dia, menos dia, aconteceria um movimento de protesto dos caminhoneiros...

A esquerda integrada ao regime

A esquerda integrada ao regime

Marx estabeleceu uma luta muito grande contra os setores oportunistas dentro do movimento operário europeu...

A crise do regime político

A crise do regime político

  A teoria fundamental sobre o Estado burguês foi colocada amplamente na Ideologia Alemã, no...

A luta de classes

A luta de classes

  No Manifesto Comunista, escrito em 1848, Marx e Engels distinguem as classes sociais fundamentais...

Argentina: o elo mais fraco

Argentina: o elo mais fraco

    O governo Macri é uma verdadeira escola de neoliberalismo tentando aplicar as políticas...

A crise capitalista total

A crise capitalista total

  A teoria da crise capitalista está bem desenvolvida justamente nesse colosso do marxismo que...

O resto do mundo e o Oriente Médio

O resto do mundo e o Oriente Médio

Ao aprofundamento da crise capitalista nos países desenvolvidos tem se somado a crise de países...

O aprofundamento da crise na América Latina

O aprofundamento da crise na América Latina

    No Brasil, em 1997, houve uma situação parecida com a da Argentina hoje,...

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

  Agora, o que está acontecendo, dentro da caixa de Pandora aberta pela Operação Lava...

Mortes e prisões no dia do trabalhador

Mortes e prisões no dia do trabalhador

  A política oficial do PT teve como resultado um 1 º de maio, em...

O desespero petista

O desespero petista

    O 1 º de maio de 2018 representou um divisor de águas, marcou...

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Há uma luta entre alas da burguesia. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, aderiu ao...

O primeiro motor do golpe

O primeiro motor do golpe

De acordo com a revista The Economist, de 28 de janeiro de 2017, a taxa...

Um golpe sem pausas

Um golpe sem pausas

    No último período, o golpe de Estado no Brasil, continua se desenvolvendo a...

A América Latina nas garras do imperialismo

A América Latina nas garras do imperialismo

A política do imperialismo norte-americano para a América Latina é única. Não se trata de...

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

Além do que está na linha de frente do golpismo, há o que está na...

A insustentável defesa do menchevismo

A insustentável defesa do menchevismo

As atividades do 1º de maio de 2018 demonstraram o fracasso absoluto da frente popular,...

A paralisia vai durar até quando?

A paralisia vai durar até quando?

  Até esse momento, o imperialismo ainda não impulsionou grandes mobilizações de massas dirigidas pela...

Não se trata da luta do bem contra o mal

Não se trata da luta do bem contra o mal

  O imperialismo organiza sua política para aumentar os ataques contra as massas A esperança...

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

   O fiasco do 1º de Maio no Brasil mostrou a evidente crise da política...

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

  A crise política avança no Brasil. O governo Temer está liquidado. Tanto é assim...

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Por Florisvaldo Lopes Claro que desde sempre o eleitor é enganado com os discursos demagógicos...

Nacional

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

18 Julho 2018
O judiciário golpista e a liberdade de Lula

No domingo, dia 8 de julho, fomos surpreendidos com o ato de um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que funciona como segunda instância da "República de...

Luta operária e sindical no Brasil - Parte II

13 Julho 2018
Luta operária e sindical no Brasil  - Parte II

Para entender qual deve ser a tendência da burocracia para o futuro dos sindicatos devemos analisar dialeticamente o sindicalismo no Brasil. A ditadura Vargas do Estado Novo nos anos 40...

Luta operária e sindical no Brasil

06 Julho 2018
Luta operária e sindical no Brasil

Para contextualizar dialeticamente os sindicatos e a luta operária devemos analisar a partir do início da organização sindical no Brasil que ocorre ainda em meados do século XIX com o...

Estava cheia de si e dormiu

14 Junho 2018
Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste do governo Temer e este só se mantém no cargo devido a que estamos a...

Ciro Gomes com o pé na lama

14 Junho 2018
Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita e da esquerda integrada ao regime estão inviabilizados e os votos brancos e nulos dispararam....

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...