Quarta, 18 Julho 2018

honduras3 2017

“O olho cego da América para o tirano de Honduras” esse é o título da matéria do NYT de 19 de dezembro de 2017. O Jornal coloca que os Estados Unidos estão dando continuidade à política bastante usada durante a Guerra Fria em relação aos regimes ditatoriais alinhados que eram apoiados pelo imperialismo e a expressão que usavam era  “He may be an S.O.B., but he’s our S.O.B” (“Ele talvez seja um ’filho da puta’, mas é um filho da puta nosso”), atribuída a Franklin Delano Roosevelt, em 1939, para se referir ao sanguinário ditador nicaraguense Anastacio Somoza. O motivo de tal política era um só, manter os interesses do capital imperialista no País e na região.

Contra o atual presidente, Juan Orlando Hernández e seu chefe de governo, Arturo Corrales, pesam vários acusações, como criminalização de protestos pacíficos, tortura, vínculo com o tráfico de drogas e principalmente o desvio de milhões do sistema de saúde. Mesmo assim o governo de Trump tem dado apoio a Hernándes, que se “elegeu” pela segunda vez, sob protestos da oposição e da população. Até a Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu novas eleições visto a quantidade de irregularidades ocorridas durante o pleito, em 26 de novembro.

Concorreram às eleições a presidência nove candidatos, mas apenas dois deles, Hernández, do Partido Nacional e Nasralla, do Partido da Liberdade e Refúgio (LIBRE), realmente tinham chance.

Como vencer sem ter os votos necessários

A Constituição hondurenha não permite a reeleição, foi com a alegação de que o presidente Manuel Zelaya estava fazendo manobras por uma reeleição que foi dado um golpe de estado em 2009. Desta vez, através de diversas manobras e por determinação da Câmara Constitucional, com membros nomeados pelo presidente Hernández, foi autorizado a sua candidatura à reeleição. Nem as oligarquias locais nem o governo dos Estados Unidos levantaram um dedo contra as manobras do atual presidente que é um aliado do imperialismo na América Central, e os Estados Unidos mantêm duas bases militares em Honduras com cerca de 16 mil militares.

No dia 19 de dezembro, o presidente, Juan Orlando Hernández, foi à TV, depois de muita repressão aos protestos, que deixaram 15 mortos, mais de 1.500 presos e centenas de feridos, para pedir aos opositores que “ponham a mão na consciência” para a construção de um consenso nacional, ou seja, para que todos desistam das denúncias acerca das eleições fraudulentas e o aceitem como o presidente do país. Hernández sabe que, mesmo depois de ser proclamado no último dia 17 de dezembro (domingo), o novo presidente, não terá nenhuma situação de calmaria visto que a crise econômica é muito grande e as massas insatisfeitas com os ataques deveãro se mobilizar ainda mais. No domingo mesmo, após o anúncio do resultado pelo Tribunal Superior Eleitoral, a capital, Tegucigalpa, e várias outras cidades viveram um clima de guerra com muitos confrontos de rua e até mesmo com setores das forças policiais não fazendo uma repressão mais forte como o governo gostaria.

Até a OEA como vários outros observadores internacionais dizem que o processo eleitoral não foi transparente. No meio das apurações quando, o candidato da oposição estava cinco pontos percentuais a  frente, os computadores tiveram uma “pane” e a contagem de votos foram interrompidas por um dia e meio, a partir daí o presidente passou a frente de forma mágica.

Um golpe atrás do outro

Honduras tornou-se um país independente em 1838. Em 1839, fez sua primeira Constituição e com o primeiro presidente escolhido constitucionalmente. Em 1841, foi o conservador Francisco Ferreira. De lá até hoje, o número de militares a assumir o comando do País foi bem maior que o de civis. No século XX, tornou-se literalmente uma república das bananas. A fruta foi seu principal produto de exportação com empresas americanas no comando, principalmente a United Fruit Company.  Até a Nicarágua, em 1911, interferiu nas eleições do País que viveu em rebelião por dois anos.

Os Estados Unidos intervieram com forças militares para proteger os interesses das suas empresas. Um longo período de instabilidade de estendeu até 1932 quando foi eleito Tiburcio Carías Andino que, como presidente, realizou reformas constitucionais que lhe permitiu tornar-se ditador, ficando no poder até 1949 apesar das convulsões geradas pelas crises econômicas que eram causadas pelo excedente da produção de bananas que por sua vez criava desemprego. Uma revolta derrubou Andino do poder. Em seu lugar entrou Juan Manuel Gálvez. Mas em 1954, os militares reassumiram o poder com o objetivo de reestabelecer um regime pseudo democrático. Foi nesse ano também que ocorreu a grande greve dos trabalhadores nos bananais que conquistaram alguns direitos trabalhistas. Em 1957, houve eleições mais pacíficas e foi eleito o liberal Ramón Villeda Morales, que fez nova Constituição e tentou uma reforma agrária.

A oligarquia hondurenha assustada com a Revolução Cubana de 1959, apoiou, em 1963, um golpe de estado. Tomou o governo o coronel Osvaldo López Arellano que permaneceu no poder até 1974. Mas a ditadura continuou com a “guerra do futebol” travada com El Salvador os militares mantiveram-se no poder até 1971, quando foi eleito Ramón Ernesto Cruz, mas no ano seguinte, em um novo golpe militar, o general López Arellano voltou ao poder. Neste período, os militares tomaram algumas iniciativas reformistas tais como reforma agrária, nacionalização de florestas e nacionalização de algumas empresas estrangeiras. Tudo às custas de muito endividamento externo e corrupção.  Depois nove anos seguidos de ditatura militar, em 1981, houve eleições e Roberto Suazo Córdova, do Partido Liberal foi eleito e para ter o apoio dos Estados Unidos ofereceu o país para ser a base militar dos “contra” no combate à revolução nicaraguense.

Só em 1986 veio a ocorrer eleições sem a interferência direta dos militares. Mas Honduras manteve-se nas mãos do imperialismo dos Estados Unidos. A década de 1980 foi atravessada por um verdadeiro estado de terror porque os países vizinhos estavam em pleno conflito de guerra civil e Honduras serviu de base para a repressão, que atingiu além dos refugiados, os próprios cidadãos do País por suspeita de darem abrigo aos fugitivos ou por simples razões de cunho ideológico ou religioso. A crise econômica se aprofundava com o agigantamento da dívida externa e na falta de novos dividendos por falta de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em 1990 outra grande crise econômica levou a greve dos plantadores de banana e o Exército interferiu. Mas o Exército já não tinha a força política de épocas anteriores e o apaziguamento da América Central permitiu reativar o comércio regional. A nova fase foi marcada pelo consenso neoliberal que atingiu toda a América Latina. No início do Séc. XXI, o neoliberalismo se esgotou e políticas de investimentos do Estado nas áreas sociais voltaram a ter um peso relativo, que vinham, na verdade, desde 1994 com a eleição de Carlos Roberto Reina.

Em 2006, Manuel Zelaya foi eleito presidente, mas antes de terminar seu mandato, em 2009, sofreu um golpe porque tentou fazer um plebiscito para poder se reeleger, o Judiciário decretou a inconstitucionalidade do plebiscito, os militares também foram contra e a Suprema Corte decretou a prisão do presidente. Mas ao invés de prendê-lo os militares o expulsaram do País e assumiu seu vice, Roberto Micheletti, que manteve as eleições para 29 de novembro. Seu governo não foi reconhecido por nenhum país e Honduras foi excluída da OEA.


honduras2 2017

Até hoje a Constituição Hondurenha não permite a reeleição, mas Juan Orlando Hernández, conseguiu uma ordem da Câmara Constitucional do país para ser candidato e se reeleger por meio de fraudes. Um peso e uma medida em 2009, quando Manuel Zelaya queria uma consulta popular, através de um plebiscito para ver se podia se recandidatar, outro peso e outra medida completamente diferente para uma situação bem pior, em termos democráticos, para um presidente completamente alinhado com os interesses dos Estados Unidos. A população não quer aceitar, a crise econômica mundial tem atingido em cheio todos esses elos mais fracos do capitalismo, e a reação é proporcionalmente violenta aos ataques que os trabalhadores têm sofrido.

Honduras aparece na linha de frente marcando a política predominante do imperialismo para o próximo período: endurecimento do regime político, de maneira generalizada, com o objetivo de impor fortes ataques contra as massas. O grande capital precisa, de maneira desesperada, conter a queda da taxa de lucros. Esses ataques colocarão, inevitavelmente, as massas trabalhadoras em movimento novamente.

+ Política

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

No domingo, dia 8 de julho, fomos surpreendidos com o ato de um desembargador do...

A política do imperialismo alimenta a crise

A política do imperialismo alimenta a crise

A política mundial é um reflexo da crise econômica, ela tem papel de responder essa...

Luta operária e sindical no Brasil  - Parte II

Luta operária e sindical no Brasil - Parte II

Para entender qual deve ser a tendência da burocracia para o futuro dos sindicatos devemos...

A crise da direita e as contradições do golpe

A crise da direita e as contradições do golpe

  As ações golpistas, no Brasil, seguem no sentido do controle do regime político pelo...

A esquerda ornitorrinco e as eleições de outubro

A esquerda ornitorrinco e as eleições de outubro

Seria importante, neste momento, que a esquerda pudesse evitar fazer a repetição da história como...

Luta operária e sindical no Brasil

Luta operária e sindical no Brasil

Para contextualizar dialeticamente os sindicatos e a luta operária devemos analisar a partir do início...

Nem Lula transferindo votos salva a esquerda da crise

Nem Lula transferindo votos salva a esquerda da crise

  A situação nacional está marcada por uma enorme crise econômica que atinge o país...

Para os amigos as benesses da lei, para os inimigos o rigor da lei!

Para os amigos as benesses da lei, para os inimigos o rigor da lei!

  A “luta contra a corrupção” não é nada mais do que uma desculpa utilizada...

O STF no centro do furacão

O STF no centro do furacão

   Para avaliar em que ponto o golpe de Estado no Brasil se encontra hoje...

Na crise capitalista mundial: revolução cultural ou revolução proletária?

Na crise capitalista mundial: revolução cultural ou revolução proletária?

  A esquerda pequeno-burguesa promove a ideia de que a revolução seria feita pelo conhecimento,...

Contagem regressiva para a guerra mundial

Contagem regressiva para a guerra mundial

Após a crise capitalista mundial de 2008 as contradições interimperialistas começaram a aumentar, principalmente entre...

A Rede Globo e o FBI

A Rede Globo e o FBI

  Desde a crise de 2008 o mundo não e mais o mesmo, os grandes...

Copa do Mundo e Golpe de Estado

Copa do Mundo e Golpe de Estado

É absolutamente normal que a burguesia, principalmente sua ala direita, promova manipulações utilizando o futebol...

Voto Nulo nas Eleições Golpistas!

Voto Nulo nas Eleições Golpistas!

Estamos vivendo, hoje, no Brasil, um processo político de golpe de Estado. Apesar de que...

A Coreia do Norte e a crise mundial

A Coreia do Norte e a crise mundial

Para entender a crise geral que está aberta é preciso entender a evolução política mundial...

Estava cheia de si e dormiu

Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste...

Ciro Gomes com o pé na lama

Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita...

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

A crise da direita é a crise da dominação capitalista

O problema no Brasil deve ser sempre entendido dentro da evolução da crise capitalista mundial...

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

Os caminhoneiros e a guerra híbrida

O ponto central do balanço é se essa greve foi uma greve em si, se...

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Bate continência aqui e mantenha o respeito

Reunião de militares candidatos em Brasília, dia 8 de maio de 2018 Apareceram nos últimos...

A crise capitalista na Itália

A crise capitalista na Itália

 Há dez anos da crise de 2008, a economia capitalista mundial vem se mantendo em...

E por falar na CIA

E por falar na CIA

  O regime político no Brasil e no mundo avança para um regime mais duro,...

A esquerda sobre rodas

A esquerda sobre rodas

    O movimento dos caminhoneiros, ocorrido nos últimos dias de maio, colocou o governo...

A Crise na Venezuela

A Crise na Venezuela

A Venezuela é um caso muito interessante, sui generis. Foi o primeiro país a entrar...

 A política de terra arrasada para a Petrobras

A política de terra arrasada para a Petrobras

  A política que tem sido aplicada na Petrobras é uma política de terra arrasada...

A "frente popular" e o balaio de gatos

A "frente popular" e o balaio de gatos

A política real do PT, que encabeça a Frente Popular, é a política de Frente...

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

A crise das eleições e da "legalidade" golpista

  Nesses dias se "comemorou" dois anos de governo Temer no Brasil. Neste governo Temer o...

A verdade sobre a  luta contra a corrupção

A verdade sobre a luta contra a corrupção

  Em primeiro lugar o imperialismo norte americano assim como o imperialismo como um todo,...

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

Pela unificação das lutas dos trabalhadores rumo a uma Greve Geral

  Era certo que, mais dia, menos dia, aconteceria um movimento de protesto dos caminhoneiros...

A esquerda integrada ao regime

A esquerda integrada ao regime

Marx estabeleceu uma luta muito grande contra os setores oportunistas dentro do movimento operário europeu...

A crise do regime político

A crise do regime político

  A teoria fundamental sobre o Estado burguês foi colocada amplamente na Ideologia Alemã, no...

A luta de classes

A luta de classes

  No Manifesto Comunista, escrito em 1848, Marx e Engels distinguem as classes sociais fundamentais...

Argentina: o elo mais fraco

Argentina: o elo mais fraco

    O governo Macri é uma verdadeira escola de neoliberalismo tentando aplicar as políticas...

A crise capitalista total

A crise capitalista total

  A teoria da crise capitalista está bem desenvolvida justamente nesse colosso do marxismo que...

O resto do mundo e o Oriente Médio

O resto do mundo e o Oriente Médio

Ao aprofundamento da crise capitalista nos países desenvolvidos tem se somado a crise de países...

O aprofundamento da crise na América Latina

O aprofundamento da crise na América Latina

    No Brasil, em 1997, houve uma situação parecida com a da Argentina hoje,...

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

  Agora, o que está acontecendo, dentro da caixa de Pandora aberta pela Operação Lava...

Mortes e prisões no dia do trabalhador

Mortes e prisões no dia do trabalhador

  A política oficial do PT teve como resultado um 1 º de maio, em...

O desespero petista

O desespero petista

    O 1 º de maio de 2018 representou um divisor de águas, marcou...

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Há uma luta entre alas da burguesia. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, aderiu ao...

O primeiro motor do golpe

O primeiro motor do golpe

De acordo com a revista The Economist, de 28 de janeiro de 2017, a taxa...

Um golpe sem pausas

Um golpe sem pausas

    No último período, o golpe de Estado no Brasil, continua se desenvolvendo a...

A América Latina nas garras do imperialismo

A América Latina nas garras do imperialismo

A política do imperialismo norte-americano para a América Latina é única. Não se trata de...

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

O imperialismo quer um Bonaparte para governar o Brasil

Além do que está na linha de frente do golpismo, há o que está na...

A insustentável defesa do menchevismo

A insustentável defesa do menchevismo

As atividades do 1º de maio de 2018 demonstraram o fracasso absoluto da frente popular,...

A paralisia vai durar até quando?

A paralisia vai durar até quando?

  Até esse momento, o imperialismo ainda não impulsionou grandes mobilizações de massas dirigidas pela...

Não se trata da luta do bem contra o mal

Não se trata da luta do bem contra o mal

  O imperialismo organiza sua política para aumentar os ataques contra as massas A esperança...

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

1º de Maio de 2018 foi um fiasco no Brasil

   O fiasco do 1º de Maio no Brasil mostrou a evidente crise da política...

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

O fim do governo Temer e a prisão de Aécio Neves

  A crise política avança no Brasil. O governo Temer está liquidado. Tanto é assim...

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Três projetos políticos que enganaram o povo brasileiro

Por Florisvaldo Lopes Claro que desde sempre o eleitor é enganado com os discursos demagógicos...

Nacional

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

18 Julho 2018
O judiciário golpista e a liberdade de Lula

No domingo, dia 8 de julho, fomos surpreendidos com o ato de um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que funciona como segunda instância da "República de...

Luta operária e sindical no Brasil - Parte II

13 Julho 2018
Luta operária e sindical no Brasil  - Parte II

Para entender qual deve ser a tendência da burocracia para o futuro dos sindicatos devemos analisar dialeticamente o sindicalismo no Brasil. A ditadura Vargas do Estado Novo nos anos 40...

Luta operária e sindical no Brasil

06 Julho 2018
Luta operária e sindical no Brasil

Para contextualizar dialeticamente os sindicatos e a luta operária devemos analisar a partir do início da organização sindical no Brasil que ocorre ainda em meados do século XIX com o...

Estava cheia de si e dormiu

14 Junho 2018
Estava cheia de si e dormiu

 A situação nacional ainda está marcada pela ressaca do movimento dos caminhoneiros. Aumentou o desgaste do governo Temer e este só se mantém no cargo devido a que estamos a...

Ciro Gomes com o pé na lama

14 Junho 2018
Ciro Gomes com o pé na lama

A crise política no Brasil dispara como reflexo da crise econômica. Os candidatos da direita e da esquerda integrada ao regime estão inviabilizados e os votos brancos e nulos dispararam....

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...