Quinta, 22 Fevereiro 2018

intifada1

Após a declaração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre querer mudar a embaixada da capital de Israel, Tel Aviv, para Jerusalém, houve um grande descontentamento entre os palestinos e os povos árabes em geral. A pergunta é por que isso não deu lugar a uma grande movimentação de massas, à chamada Terceira Intifada? Intifada é um grande movimento de massas dos palestinos.

A declaração de Trump aconteceu no dia 9 de dezembro, quando fazia 30 anos da primeira Intifada de 1987. O Hamas, que é o grupo palestino ligado à Irmandade Muçulmana que governa a Faixa de Gaza, chamou formalmente à Terceira Intifada. Mas o Hamas está com uma política de contenção e na busca por evitar o confronto aberto com os sionistas israelenses. O chamado à Intifada pelo Hamas ainda seria para acontecer na Cisjordânia, no chamado  Westbank, em inglês, que é governado pela Autoridade Palestina, e em Jerusalém Oriental, e não na Faixa de Gaza onde ele próprio se encontra no poder. Os protestos têm continuado nos últimos dias, mas estão muito longe de terem a intensidade da Primeira e da Segunda Intifada.

O que foi a Primeira Intifada?

A Primeira Intifada estourou em dezembro de 1987 e foi um grande movimento de massas dos palestinos, espontâneo, em primeiro lugar, que atingiu em cheio a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e, em parte, também a região oriental de Jerusalém. Foi uma reação à pressão que os sionistas israelenses e o imperialismo, principalmente o imperialismo norte-americano, tinham colocado contra os palestinos após a Guerra dos Seis Dias, de 1967, onde importantes territórios da Palestina foram tomados pelos sionistas, e depois com a Guerra do Yom Kippur, em 1971, onde os árabes voltaram a ser derrotados.

intifada2

A movimentação dos palestinos que começou em 1987 foi um movimento de massas grande, com protestos que além de atirar pedras contra o Exército israelense, aplicou atentados contra alvos militares sionistas. Durou seis anos, até 1993. Somente foi contido pelos chamados acordos de Oslo, que contaram com o apoio da OLP (Organização da Libertação da Palestina), que é a atual Autoridade Palestina, que era a principal organização palestina naquele momento, dirigida por Yasser Arafat, que na época se encontrava no exílio.

A resposta de Israel foi muita truculência militar, na tentativa de contê-la a ferro e fogo. Mas essa política somente jogava mais lenha na fogueira. A contenção aconteceu a partir da política geral do imperialismo que se fortaleceu com a queda do Muro de Berlim, em 1989. As altas doses demagógicas da propaganda do “neoliberalismo” tomou como corpo nos chamados acordos de Oslo, onde se deu alguma autonomia formal aos palestinos por parte dos sionistas como, por exemplo, o autogoverno na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. No fundamental, não foram resolvidos os problemas mais importantes. Mas a Primeira Intifada deixou “sequelas”.

Pouco meses após o estouro da Primeira Intifada, nasceu o Hamas, que é o grupo que hoje controla a Faixa de Gaza. Ele foi criado diretamente pela Irmandade Muçulmana. Esse fato foi fruto do aprofundamento das contradições com os sionistas israelenses. A tentativa de impor a política do “Grande Israel” contra os povos árabes tinha levado à invasão do Líbano, que, por sua vez, levou ao surgimento, em 1980, do Hizbollah, a poderosa milícia libanesa. O Hamas é um movimento sunita e o Hizbollah é um movimento xiita. Este foi criado pelo Irã, à luz da força da Revolução Iraniana que aconteceu em 1979, como produto da crise de 1974. Hoje ambos são estreitos aliados, o que também representa um fator de crise do controle do Oriente Médio por parte do imperialismo.

O que foi a Segunda Intifada?

A Segunda Intifada foi diferente da Primeira. Ela ainda mantinha uma alta dose de espontaneidade popular. Em princípio, estourou pela visita do então primeiro ministro, Ariel Sharon, ao Monte do Templo, em Jerusalém, que é um local sagrado para os palestinos. Dessa vez, as organizações palestinas, como a Autoridade Palestina, o Hamas, a Jihad Islâmica, que é mais ligada ao Irã, e outras desempenaram um papel importante e havia a disputa entre elas. Apareceram técnicas de ataque armados, como os homens bomba, que atingiram civis na chamada Linha Verde dos sionistas israelenses.


intifada3

 

A Segunda Intifada aconteceu no ano 2000, apenas sete anos depois dos acordos de Oslo terem sido assinados. Foi uma amostra de que os palestinos perceberam que não havia ganhos para eles pela via diplomática, que tudo tinha sido controlado pelo imperialismo e pelos sionistas israelenses.

O então presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, tentou colocar em pé os acordos de Camp David, com a participação de Yasser Arafat, pela OLP, Ehud Barak, o primeiro ministro israelense e Bill Clinton, em julho de 2000.  Mas não houve avanços. Com a visita de Sharon ao Monte do Templo, em Jerusalém (Al-Aqsa para os árabes), em setembro de 2000, aconteceu a explosão da Segunda Intifada. O número ataques armados e de atentados de homens-bomba aumentou muito e Israel acabou recuando. Desmantelou todos os assentamentos sionistas na Faixa de Gaza. Mas os palestinos continuaram divididos, basicamente, entre o Hamas, que acabou governando a Faixa de Gaza, e a Autoridade Palestina, a Cisjordânia. Os dois territórios se encontram desconectados, um e outro.

As movimentações entre o ano 2000 e 2015

Nesse período, do ano de 2000 até praticamente 2015, houveram grandes manifestações de luta e de confronto dos palestinos, dos quais quatro foram os principais. Apesar da morte de milhares de palestinos, o movimento não avançou nem na Cisjordânia, nem em Jerusalém Oriental e acabou ficando restrito à Faixa de Gaza que foi tornada uma cadeia a céu aberto pelos sionistas israelense.

Em setembro de 2015, houve uma onda importante de confrontos com carros-bomba e atentados em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia mas que não conseguiram avançar, não houve um acúmulo importante. Em julho desse ano, foi a semana onde aconteceram grandes protestos quando a polícia israelense bloqueou a entrada ao Monte do Templo em Jerusalém Oriental, mas, basicamente, eles foram rapidamente controlados.

Por que não aconteceu uma terceira Intifada?

Por que não aconteceu, em cima dessas declarações incendiárias de Donald Trump uma Terceira Intifada? Em outras palavras, se trata da velha pergunta: por que as massas não se levantaram?

Um aspecto é que, ultimamente, o número de protestos não aumentou, inclusive diminuiu. Até houveram mortos, mas não houve um movimento em ascenso. Há a divisão entre Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental e o papel de alta contenção das organizações palestinas, da mesma maneira que isso acontece em todos os aspectos no mundo inteiro. O imperialismo ainda avança com um certo cuidado nos ataques contra as massas, de maneira razoavelmente gradual e não ainda com os métodos de guerra civil.

A incorporação das organizações que representam as massas à chamada "democracia imperialista", que no caso da Palestina poderia se denominar "democracia sionista", é enorme. Em Gaza, a crise é muito grande e a população como um todo está vendo, depois de quase uma década de enorme crise econômica, que uma eventual saída poderia ser a conciliação entre o Hamas e a Autoridade Palestina, que se encontra em andamento, com a promessa de alívio do Egito. A fronteira é totalmente controlada e não há passagens para fora. Nesses dias, por exemplo, o Egito abriu pela primeira vez em muito tempo a fronteira por três dias, o que deu um certo alívio ao fornecimento de produtos etc.


intifada4

 

No caso do Hamas, há uma capitulação grande por causa das limitações da sua política. Chegou a assinar um acordo com a Autoridade Palestina para entrega-lhe o controle do governo e das fronteiras e recentemente há denuncias de que tem prendido e torturados membros de outras organizações na tentativa de evitar que sejam lançados mísseis contra Israel. Mas conforme o Hamas continuar capitulando e conforme a crise não for superada, o que irá acontecer? Obviamente os grupos mais radicais irão se fortalecer e as massas tenderão a se movimentar.

No caso da Cisjordânia, a coordenação do controle da população entre a Autoridade Palestina, liderada por Mahmud Abbas, e os sionistas israelenses é total. No caso de Jerusalém Oriental, a principal reivindicação dos palestinos é pelos mesmos direitos dos israelenses já que eles vivem em Jerusalém sem sequer ter o direito à própria cidadania.

Uma nova Intifada na Cisjordânia elevaria a crise a um grau enorme porque implicaria que a Autoridade Palestina sumiria do mapa. O  ponto fundamental é a base material do controle da Autoridade Palestina. Dezenas de milhares de palestinos vivem como funcionários públicos e para a Autoridade Palestina manter essa situação de controle, ela mantém os acordos com os sionistas israelenses. Foi criado um colchão social de controle na Cisjordânia e, inclusive, o que tem contribuído, em grande medida, a manter os palestinos da Faixa de Gaza totalmente isolados.

Sionistas menos truculentos?

Um ponto fundamental para manter a relativa calmaria é que as manobras de Israel têm acontecido no sentido de ir com um certo cuidado. O exército e a polícia israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental têm tentado atuar com um pouco mais de cuidado, diminuindo o número de assassinatos. A ausência de grandes funerais com manifestações de massas, com mártires etc., tem contribuído para que o sentimento inflamado dos palestinos tenha diminuído no último período.

 

judeuortodoxo


Israel tem colocado um outro fator de contenção dos palestinos por meio da permissão de 50 mil palestinos da Cisjordânia para trabalhar em Israel. Portanto, somando estes 50 mil palestinos a algumas dezenas de milhares que trabalham como funcionários públicos, foi criado um mecanismo de contenção dos palestinos, mesmo que seja provisório. Pelo menos 50% da população palestina da Cisjordânia se encontra em alguma medida mediatizada e controlada pelos sionistas. Há a ameaça de diminuir o fluxo de recursos para a Autoridade Palestina e, com isso, vários milhões de burocratas deixariam de receber salário, ou proibir os 50 mil trabalhadores palestinos de trabalhar em Israel com a ameaça de importar trabalhadores estrangeiros.

Neste momento, para os palestinos, uma nova Intifada parece ser um preço muito alto a pagar em uma situação em que ainda há uma certa margem de sobrevivência. Mas essa margem tende cada vez mais a diminuir da mesma maneira que a margem geral do capitalismo no mundo tende a diminuir.

Até quando?

Os sionistas pisam em casca de ovos. Qualquer movimentação mais ousada ameaça botar fogo na região, mas a política atual, no contexto mundial, têm conseguido fazer com que a temperatura social tenha aumentado, mas não tenha explodido. O mesmo acontece na América Latina e no mundo a temperatura tem aumentado, mas a panela de pressão ainda não explodiu. Não aparece um sentimento de grande desespero, de ódio mortal contra o regime, a perda de todas as ilusões no governo, no capitalismo e a perda das ilusões nos mecanismos de negociação mais diplomáticos etc. No caso dos palestinos, implica na percepção de que a única saída é o fim do sionismo, o fim da ocupação e a luta por um Estado único na região, onde israelenses, judeus e palestinos, de todas as nacionalidades, consigam viver num único Estado, sob liberdades democráticas que consigam valer para todos. Neste momento, a política dos dois Estados é uma política que só interessa aos sionistas israelenses, à monarquia ultra obscurantista saudita e ao imperialismo norte-americano porque quem controla a situação nas finanças, na distribuição dos tributos e no controle militar, naval, aéreo etc., são os sionistas israelenses. E ainda 85% dos territórios são controlados pelos sionistas. A força maior está nas mãos dos sionistas, os aparatos de Estado nas mãos dos sionistas e o capital nas mãos dos sionistas. Então, é impossível nessas condições, se falar em dois Estados como solução para o problema palestino.

Para o próximo período, o aprofundamento da crise capitalista mundial só pode e tende a aumentar. Isso irá colocar em movimento novamente a classe operária mundial. O papel dos revolucionários é se agrupar, elaborar a política para o movimento de massas, não para trabalhar entre 4 ou 5 amigos, como seitas. E divulgá-la por meio de uma imprensa operária independente, por meio de um jornal político central, dos boletins etc. Isso é o que nós do Gazeta Revolucionária estamos buscando fazer.

+ Política

A pacificação do movimento de massas na China e região

A pacificação do movimento de massas na China e região

Na China, o sindicalismo é estatal. O movimento operário foi atrelado ao estado e se...

Os negócios da China

Os negócios da China

Como ficou claro no 19º Congresso do Partido Comunista Chinês, que aconteceu em outubro, o...

O custo da aceleração produtiva chinesa

O custo da aceleração produtiva chinesa

O custo da aceleração produtiva chinesa se relaciona, em primeiro lugar, com um alto grau...

A China no contexto da crise mundial

A China no contexto da crise mundial

Um componente muito importante para compreender o aprofundamento da crise capitalista mundial é entender claramente...

A crise do grande capital e a “resposta” do PT

A crise do grande capital e a “resposta” do PT

A queda na taxa de lucros mundial, entre 2012 a 2017, foi de 25% segundo...

Ciro Gomes é uma alternativa?

Ciro Gomes é uma alternativa?

A eventual candidatura de Ciro Gomes recebendo grande parte dos votos que seriam de Lula,...

A “inviabilidade” da política Lula

A “inviabilidade” da política Lula

A política Lula não conseguiria aplicar com a dureza que o imperialismo quer os ataques...

Lula e o fim da esquerda atual

Lula e o fim da esquerda atual

A condenação de Lula recentemente pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal) dá continuidade à política do...

Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

Na madrugada de 8 de fevereiro de 2018, a Assembleia Legislativa gaúcha aprovou por 30...

A crise mundial e a paralisia da esquerda

A crise mundial e a paralisia da esquerda

O aprofundamento da crise capitalista mundial avança a passos largos, mas o movimento de massas...

Todos são culpados até que se prove o contrário?

Todos são culpados até que se prove o contrário?

Supremo Tribunal Federal: Prisão após condenação em 2º Grau?   No último período, a conjuntura...

Greve Geral contra a "Reforma" da Previdência

Greve Geral contra a "Reforma" da Previdência

O ano de 2018 inicia com fortes ataques da patronal à classe trabalhadora. E em...

Lula condenado e agora?

Lula condenado e agora?

No dia 24 de janeiro de 2018, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4),...

O julgamento de Lula

O julgamento de Lula

Em 24 de janeiro de 2018, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com...

Por uma vida sem tarifas!

Por uma vida sem tarifas!

As tarifas do transporte público na grande São Paulo passaram de R$ 3,80 para R$...

O Roundup mata

O Roundup mata

Arnaldo Alves tem 55 anos e mora no município de Caculé, no sul da Bahia....

Temer, Cristiane Brasil e a extrema direita

Temer, Cristiane Brasil e a extrema direita

O episódio da nomeação da deputada federal  Cristiane Brasil (PTB-RJ) para assumir o Ministério do...

A crueldade da “Reforma Trabalhista” com os deficientes

A crueldade da “Reforma Trabalhista” com os deficientes

A “Reforma Trabalhista” com o tempo vem revelando seus aspectos mais cruéis. Começou com a revogação...

O indisfarçável fantasma de Michel Temer

O indisfarçável fantasma de Michel Temer

Desde o golpe parlamentar que depôs Dilma Rousseff (PT), o grande capital internacional vem tentando...

A culpa é do piloto, a segunda morte de Teori Zavascki

A culpa é do piloto, a segunda morte de Teori Zavascki

Em Janeiro de 2017, o Brasil foi surpreendido com a morte do ministro do Supremo...

Burguesia manifesta preocupação com fiasco das privatizações

Burguesia manifesta preocupação com fiasco das privatizações

Setores da burguesia mais intimamente ligados ao imperialismo manifestam preocupação com suposto fiasco das privatizações...

Associação de juízes e fundação de militares fraudam 20 milhões de reais

Associação de juízes e fundação de militares fraudam 20 milhões de reais

  A Associação dos Juízes Federais da 1ª Região (AJUFER) obteve falsos empréstimos da Fundação...

2018:  ano de lutas ou mais um ano  de traição da burocracia?

2018: ano de lutas ou mais um ano de traição da burocracia?

A burocracia sindical e da esquerda pequeno burguesa que nos últimos tempos traiu todas as lutas...

2018, com ressaca de 2017

2018, com ressaca de 2017

O governo Temer foi um governo fraco desde o golpe que depôs Dilma Rousseff, isto...

A teoria da "cegueira deliberada" e o estado de exceção no Brasil

A teoria da "cegueira deliberada" e o estado de exceção no Brasil

Nesse final de ano, pautas jurídicas dominam a política. Gilmar Mendes soltando da prisão, agora,...

Ministros do TST contratados pelo Bradesco

Ministros do TST contratados pelo Bradesco

O jornal “O Estado de S. Paulo” publicou em seu edital hoje, dia 23/12, uma...

Argentina: a crise econômica por detrás dos protestos

Argentina: a crise econômica por detrás dos protestos

A crise econômica na Argentina é monumental. Em outubro, uma das agências reguladoras de qualificação...

Deu até no New York Times: Fraude eleitoral em Honduras

Deu até no New York Times: Fraude eleitoral em Honduras

“O olho cego da América para o tirano de Honduras” esse é o título da...

Uma nova revolta Palestina: por que não acontece?

Uma nova revolta Palestina: por que não acontece?

Após a declaração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre querer mudar a embaixada...

Venezuela: uma situação relativamente sui generis

Venezuela: uma situação relativamente sui generis

Sai um pouco fora da regra da política na América Latina, a situação da Venezuela...

Argentina! acende o pavio?

Argentina! acende o pavio?

O que tem em comum a crise na Argentina, no Brasil e na Venezuela? Recentemente,...

Dos “outsiders” da direita à extrema direita

Dos “outsiders” da direita à extrema direita

Outros candidatos “outsiders” (os que saem de fora dos partidos políticos) têm se desgastado muito...

A crise da política “bolsonarista” de Alckmin

A crise da política “bolsonarista” de Alckmin

Geraldo Alckmin busca se posicionar como candidato às eleições de 2018 disputando posições com Jair...

Apodrece o regime político

Apodrece o regime político

O apodrecimento do regime político brasileiro tem acelerado. A partir do golpe de Estado que...

Caxias do Sul/RS: Impeachment do Prefeito Daniel Guerra (PRB)

Caxias do Sul/RS: Impeachment do Prefeito Daniel Guerra (PRB)

Na terça-feira, 12 de dezembro, a Câmara dos Vereadores de Caxias do Sul, RS, aprovou...

Jerusalém e o fim da "democracia" norte-americana no Oriente Médio

Jerusalém e o fim da "democracia" norte-americana no Oriente Médio

A crise que se abriu após as declarações do presidente norte-americano Donald Trump em relação...

Perspectivas da evolução da luta de classes no Brasil

Perspectivas da evolução da luta de classes no Brasil

Estamos presenciando atualmente, um período marcado por ataques históricos de todos os lados pelo capital...

Ascenso das ocupações urbanas: tendência ao levante operário

Ascenso das ocupações urbanas: tendência ao levante operário

O acirramento da crise capitalista no Brasil e o aprofundamento dos ataques “neoliberais” levado adiante...

O que fazer perante a traição da “frente popular”?

O que fazer perante a traição da “frente popular”?

  A pergunta sobre o que fazer perante a política de conciliação de classes tem...

Lula será candidato?

Lula será candidato?

Lula está dominando o cenário eleitoral. Para tirá-lo das eleições será necessário fazer uma manobra...

A “frente popular” se integrou ao governo Temer

A “frente popular” se integrou ao governo Temer

Novamente, as paralisações do dia 5 de dezembro não passaram de uma farsa. A “greve...

O golpismo avança no mundo

O golpismo avança no mundo

No Brasil, o golpismo se institucionalizou com as declarações públicas dos generais, que ao nem...

A “hondurização” da América Latina

A “hondurização” da América Latina

  A crescente política golpista mundial tem na linha frente os Estados Unidos. O endurecimento...

Uma troika de generais governa os Estados Unidos

Uma troika de generais governa os Estados Unidos

Neste momento, o governo dos Estados Unidos se encontra controlado por três generais. Essa situação...

Pela construção de uma verdadeira greve geral!

Pela construção de uma verdadeira greve geral!

A convocação da “Greve Geral” para o dia 5 de dezembro acabou se transformando num...

A crise do Judiciário ... rumo ao golpe militar

A crise do Judiciário ... rumo ao golpe militar

A nomeação de Segovia para a chefia da Polícia Federal abriu mais uma crise porque...

A crise do PMDB ... e da Lava Jato

A crise do PMDB ... e da Lava Jato

A crise do PMDB, principal partido do governo, também só cresce. Nesses dias aconteceu a...

A guerra dos gasodutos

A guerra dos gasodutos

A guerra civil na Síria teve na base, em primeiro lugar, a guerra das siglas...

 Qual é a pior “crise humanitária”?

Qual é a pior “crise humanitária”?

Muito tem se falado na propaganda imperialista mundial, nas últimas semanas, sobre a crise humanitária...

O incêndio do Oriente Médio

O incêndio do Oriente Médio

De acordo com a imprensa burguesa, a guerra na Síria estaria chegando ao fim. Essa...

Nacional

Lula e o fim da esquerda atual

13 Fevereiro 2018
Lula e o fim da esquerda atual

A condenação de Lula recentemente pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal) dá continuidade à política do imperialismo para a América Latina iniciada em 2014. A política do PT, que é uma...

Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

12 Fevereiro 2018
Contra as privatizações no Rio Grande do Sul

Na madrugada de 8 de fevereiro de 2018, a Assembleia Legislativa gaúcha aprovou por 30 votos a 18 o Projeto de Lei Complementar 249/2017 que autoriza o Rio Grande do...

Todos são culpados até que se prove o contrário?

31 Janeiro 2018
Todos são culpados até que se prove o contrário?

Supremo Tribunal Federal: Prisão após condenação em 2º Grau?   No último período, a conjuntura nacional está fortemente marcada pelo avanço do Poder Judiciário sobre o regime político. O melhor...

Educação

Banco Mundial, gerente da educação brasileira

14 Fevereiro 2018
Banco Mundial, gerente da educação brasileira

A década de 1970 foi marcada pelo revés no modo de regulação capitalista, devido à crise do petróleo, a expressão da crise capitalista em geral. Ganharam força as propostas de...

Educação infantil na mira do prefeito de Belo Horizonte

18 Dezembro 2017
Educação infantil na mira do prefeito de Belo Horizonte

Prefeito de Belo Horizonte quer penalizar educadores, crianças e mulheres.   Diante do enorme déficit de vagas para atender às crianças da capital mineira na educação infantil, o prefeito encontrou...

São Paulo: O sucateamento da educação pública

30 Novembro 2017
São Paulo: O sucateamento da educação pública

Por Salomão Ximenes, Fernando Cássio e Silvio Carneiro (Professores da UFABC e pesquisadores da Rede Escola Pública e Universidade) A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEE-SP) abriu...

Gazeta Revolucionária [pdf]

capa gr4

Saiba Mais

O efeito colateral na esquerda

O movimento de massas está paralisado no Brasil e mesmo...

A morte terceirizada no Carnaval...

No último Domingo dia 04/02 o jovem Lucas Antônio Lacerda...

Socialismo pequeno burguês e os...

Para quem pensa que a CIA (Agência Central de Inteligência...

RS: Abaixo o plano de...

  A política aplicada pelo governo de José Ivo Sartori...

Socialismo pequeno-burguês e "teoria das...

A crítica concreta e ideológica das teorias pequeno-burguesas representa um...