Sábado, 18 Agosto 2018

Esquerda dá verniz democrático às eleições golpistas

Written by  Published in Nacional Quinta, 19 Julho 2018 07:40
Rate this item
(0 votes)

presidenciaveis2

Qual é a relação entre o golpe de Estado em curso no país e as eleições marcadas para o mês de outubro? Temos que entender que esses dois eventos não são contraditórios. Não é que haja um momento de democracia dentro do golpe e nem que as eleições democráticas confirmem que não existe golpe. Em primeiro lugar as eleições não são democráticas e em segundo, a relação que existe entre eleições e golpe é que as eleições servem para legitimar o golpe. Esta é a forma correta de fazer análise, colocando as eleições como parte fundamental do golpe.
E tudo isso é um escárnio. Como se a extrema-direita dissesse: derrubamos um governo legitimamente eleito com a desculpa de “pedaladas fiscais”, desmantelamos a indústria nacional, avançamos nas privatizações , aprovamos a reforma trabalhista, implantamos um Estado de exceção coordenado pelo Poder Judiciário, encarceramos e tiramos do páreo o candidato do PT que certamente venceria as eleições, temos um plano de eleger um elemento de direita para aprofundar a entrega do país, controlamos a grande mídia, mas vamos para as eleições porque eleições é a festa da democracia.

O pior é que todo mundo vai para as eleições como se elas fossem a última tábua de salvação. E a esquerda, que cabe aqui na nossa crítica, cai de cabeça nessa lorota. Se entrega de corpo e alma fazendo, assim, o jogo da direita. Pois a participação da esquerda legitima o processo, dá aparência de democrática para uma eleição golpista. 

Não que seja uma esquerda ingênua, que está sendo ludibriada pela direita. Mas, sim, essa é a essência da esquerda: sustentar o regime burguês integrando-o organicamente como sua ala mais democrática. E é uma questão de sobrevivência política e até existencial pois é daí que tiram o seu ganha-pão e os seus privilégios: de parasitar as instituições do Estado burguês. Por isso é caracterizada como uma esquerda burocrática, integrada ao regime burguês e traidora da luta da classe trabalhadora.
A esquerda se presta a tanto, apesar de ser um processo eleitoral viciado, totalmente manipulado e controlado pela direita, porque tem a mesma estratégia dos diferentes partidos do regime, ou seja, estão no desespero para eleger o máximo de deputados para ter o mínimo poder de barganha na próxima legislatura. Também para escapar da cláusula de barreira, que será mais apertada no próximo período, e para poder colocar as mãos no dinheiro do fundo partidário e do financiamento das campanhas eleitorais.

O próximo governo de direita será o mais entreguista da História do Brasil

Assim, a esquerda faz o jogo da direita fornecendo um atestado de democrático ao golpe e fortalecendo o mesmo uma vez que essas eleições são peça chave para fazer avançar o processo golpista na medida em que o próximo passo é eleger um presidente da república de direita.
E o próximo presidente será mais submisso ao imperialismo norte americano do que qualquer outro. Será um entreguista de primeira, que virá para terminar o serviço que Michel Temer começou. Vai aplicar os planos dos EUA para o Brasil fazendo como que um laboratório experimental dessa política para depois expandi-la para o resto da América Latina.
Será a política do aperto contra os trabalhadores e da repressão sem medida, porque pela situação da crise mundial os americanos são obrigados a saquear o máximo de mais valia dos países da periferia para equilibrar a taxa de lucro dos monopólios.
E o que nos espera, além de mais arrocho salarial e desemprego, é mais repressão e criminalização dos movimentos sociais. O novo governo, com o respaldo das urnas, terá moral até de decretar intervenção militar em todo o país para enfrentar a resistência dos trabalhadores que certamente acontecerá.

Não apresentar os candidatos e chamar o voto nulo

Se essa esquerda não fosse tão eleitoreira, tão integrada ao regime burguês, deveria deixar de apresentar candidatos e chamar o voto nulo em função de serem eleições golpistas. E assim, enfraquecer sobremaneira o futuro governo golpista e preparar o movimento de massas para resistir aos ataques ao seu nível de vida e aos seus direitos conquistados através de longos anos de luta.
Porém, alguns companheiros honestos, de luta, mas ingênuos, acham que não se pode chamar o voto nulo. Porque, dizem, temos que votar na esquerda para derrotar a direita.
Mas que esquerda que vai derrotar a direita nas eleições? O PT, com Haddad, tem 1%; o PSOL, com Boulos, tem 1%; o PCdoB, com Manuela, tem 0%; o PSTU, com Vera, tem 0%.
Estão esperando o milagre da transferência de votos de Lula para um candidato do PT? Convenhamos! O PT e o PCdoB foram governo nos últimos mandatos. Governaram para a burguesia, numa gestão de direita em que “nunca antes os banqueiros tiveram tanto lucro” e iludiram o povo com a esmola de bolsa família e assemelhados!
Alguém acredita que é possível reeditar essa Frente Popular na conjuntura atual de crise total da economia, não só no país, mas em todo o mundo? Numa conjuntura, depois de 2008, onde não há mais superávit da balança comercial em função dos altos rendimentos das commodities (grãos, minérios, petróleo, etc.) e sim uma baita recessão? Nem o imperialismo acredita e nem ele vai deixar isso acontecer. Por isso o golpe e a prisão de Lula!
Ou alguém acredita que Ciro Gomes (PDT) ou Marina Silva (Rede) são de esquerda? O Ciro está disputando com Alckmin o apoio do Centrão, que é o grupo dos partidos políticos mais fisiológicos da direita golpista. A Marina vai sair com uma chapa puro sangue com o vice da Rede, mas além de ser ligada ao banco Itaú, à Natura e apoiar Aécio Neves em 2014, defende um programa ultrarreacionário.
O mais correto é não apresentar os candidatos e chamar o voto nulo para ir desconstruindo desde já o futuro governo golpista e preparando desde já as lutas dos trabalhadores, que certamente serão muitas no próximo período.

Read 315 times Last modified on Quinta, 19 Julho 2018 12:52

Nacional

A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

03 Agosto 2018
A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

O golpe de Estado no Brasil, capitaneado pelo Poder Judiciário, avança de vento em popa. Com a aproximação do prazo final para inscrições de candidatos ao cargo de Presidente da...

Devorados pelo Judiciário

20 Julho 2018
Devorados pelo Judiciário

A ilusão da esquerda nas instituições do Estado burguês fica manifesta com a postura quase que religiosa de confiança na Justiça burguesa. Porém, esse crédito na isenção dos julgadores brasileiros...

Esquerda dá verniz democrático às eleições golpistas

19 Julho 2018
Esquerda dá verniz democrático às eleições golpistas

Qual é a relação entre o golpe de Estado em curso no país e as eleições marcadas para o mês de outubro? Temos que entender que esses dois eventos não...

O judiciário golpista e a liberdade de Lula

18 Julho 2018
O judiciário golpista e a liberdade de Lula

No domingo, dia 8 de julho, fomos surpreendidos com o ato de um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que funciona como segunda instância da "República de...

Luta operária e sindical no Brasil - Parte II

13 Julho 2018
Luta operária e sindical no Brasil  - Parte II

Para entender qual deve ser a tendência da burocracia para o futuro dos sindicatos devemos analisar dialeticamente o sindicalismo no Brasil. A ditadura Vargas do Estado Novo nos anos 40...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...