Sábado, 22 Setembro 2018

“Imperialismo – fase superior do capitalismo”

Written by  Published in Global Economy Domingo, 25 Novembro 2012 22:00
Rate this item
(0 votes)

(18/07/2017)

O livro “O Imperialismo, fase superior do capitalismo” foi escrito por Lenin, de janeiro a junho de 1916, em Zurique, durante a Primeira Guerra Mundial, num período de consolidação de profundas modificações no modo de produção capitalista. Essa obra marca um importante avanço na elaboração da teoria marxista.

A virada do século XIX para o século XX delimita uma situação de extrema crise para o sistema capitalista. É a época do esgotamento do modelo liberal do capitalismo, de livre concorrência, impulsionado pela crise de superprodução de 1873. Este período marca a transição para o capitalismo de tipo monopolista.

Na esteira da depressão que se seguiu à crise, as indústrias e as empresas, em geral, na concorrência desesperada para sobreviverem, foram sendo incorporadas pelas mais fortes, formando as grandes indústrias e os grandes conglomerados.Lenin afirma que neste período surgem os cartéis (união de empresas do mesmo ramo de negócios para fixar um preço semelhante para os seus produtos, reduzindo a concorrência entre si e impossibilitando o consumidor de procurar o menor preço) e os trustes (associações de empresas que se fundiram entre si, a partir do acordo entre proprietários de empresas concorrentes que se tornaram sócios de uma única grande empresa, o que também reduz a concorrência e retira a opção do consumidor), transformando a concorrência em monopólio.

A produção passa a ser social, mas a socialização integral da produção não exclui que a apropriação continue a ser privada. “O monopólio é a última palavra da fase mais recente do desenvolvimento do capitalismo (…) o capitalismo na sua fase imperialista”. Caracteriza, assim, o imperialismo como uma fase do desenvolvimento do capitalismo, em que a livre concorrência se transformou em capitalismo monopolista.A seguir, Lenin destaca o novo papel dos bancos no conceito e significado dos monopólios. Eles “convertem-se de modestos intermediários, que eram antes, em monopolistas onipotentes”. Os grandes bancos vão incorporando os pequenos. A concentração bancária e o aumento das operações financeiras dão-lhes uma nova importância, refletida na maior dependência do capitalista industrial em relação ao banco.

A consequência da “trustificação” dos bancos e da dependência das indústrias, conforme Lenin explicou, é “a fusão de uns com as outras mediante a posse das ações, mediante a participação dos diretores dos bancos nos conselhos de supervisão (ou de administração) das empresas industriais e comerciais, e vice-versa”.Essa união entre o capital bancário e o capital industrial em um alto nível de concentração monopolista, prevalecendo o domínio do primeiro, e sob a forma de grandes organizações, é o que é definido como capital financeiro. E essa nova realidade dos monopólios capitalistas é dominada pela oligarquia financeira, ou seja, poucas pessoas que controlam todo o capital financeiro obtendo lucros enormes dirigem toda a sociedade no sentido de promover os seus interesses, que são o de gerenciar seus negócios para obter mais e mais lucro.Lenin define, que “o imperialismo, ou o domínio do capital financeiro, é o capitalismo no seu grau superior”. E prossegue “… o predomínio do capital financeiro sobre todas as demais formas do capital implica o domínio do rentier (especulador) e da oligarquia financeira…”. E conclui: “o imperialismo é a fase monopolista do capitalismo”.Na fase imperialista do capitalismo, o capital financeiro passou a controlar as forças produtivas e, por extensão, a produção e circulação de mercadorias e todo o destino da humanidade. Deixou para trás o capitalismo de livre concorrência exportador de mercadorias para impor o capitalismo monopolista, exportador de capital. A tendência do capitalismo é globalizar cada vez mais, saqueando riquezas e transferindo mais valia dos países semicoloniais e coloniais para os países imperialistas.

A partilha do mundo pela burguesia imperialista é um caminho natural. Os monopólios travam uma luta de morte pelas fontes de matéria-prima e por mercados consumidores de seus produtos. E essa política colonial se traduz na luta das grandes potências da Europa e Estados Unidos pela partilha econômica e política de todo o planeta.Mas a definição de imperialismo como fase particular do capitalismo encontrou opositores até dentro do próprio movimento operário. Lenin polemiza com Karl Kautsky, que definiu como sendo “o principal teórico marxista da época da chamada IIª Internacional, isto é, dos vinte e cinco anos compreendidos entre 1889 e 1914”. Kaustsky discorda, de conjunto, da definição leninista de imperialismo, nega que o imperialismo seja uma “fase ou um grau da economia”, mas diz que é uma política determinada, produto do capital industrial que tende a submeter ou anexar regiões agrárias.

Lenin refuta essa definição demonstrando ser antimarxista, unilateral, que privilegia a anexação das regiões agrárias, e reafirma que o característico do imperialismo não é o capital industrial, mas o financeiro. E segue: “O essencial é que Kautsky separa a política do imperialismo de sua economia… opondo a ela outra política burguesa possível… resultando reformismo burguês em vez de marxismo”.No entanto, é preciso se levar em conta que o livro foi escrito durante o regime Czarista, o que obrigou Lenin a escrever de forma muito prudente para driblar a censura. Em 1917, Lenin, num desabafo, considera os malabarismos que teve que fazer “para dizer que o imperialismo é a véspera da revolução socialista, que o social-chauvinismo (socialismo de palavra e chauvinismo de fato) é uma completa traição ao socialismo, a completa passagem para o lado da burguesia, que essa cisão do movimento operário está relacionada com as condições objetivas do imperialismo”. Essa época foi aberta a partir Primeira Guerra Mundial, guerra que marca definitivamente a consolidação da fase imperialista do modo de produção capitalista. Tratou-se de uma guerra imperialista, em que as grandes potências se digladiaram na disputa por novos mercados como forma de fazer frente à crise capitalista. Nessa guerra, Karl Kautsky e os principais líderes dos partidos que compunham a Segunda Internacional capitularam às suas respectivas burguesias nacionais e votaram a favor dos créditos de guerra, traindo abertamente os interesses da classe operária.E também é a época da Revolução Socialista, inaugurada com a vitória da Revolução na Rússia, em 1917, e que não se concluiu, pelo contrário, é exatamente a que estamos vivendo ainda hoje.Mais do que nunca, o capitalismo imperialista se utiliza de todos os recursos e das mais avançadas tecnologias para manter sua dominação. A supremacia do capital financeiro e dos monopólios, a globalização, o mercado mundial (que não respeita as fronteiras nacionais, estas que servem apenas para manter dividido e enclausurado o proletariado de cada nação), a internet, intervenções militares, golpes de estado, suborno, etc., todos estes são instrumentos para aprofundar a exploração da classe operária e a pilhagem dos países semicoloniais do mundo inteiro. Tal situação reafirma a necessidade de a classe operária empreender uma luta sem trégua contra esse sistema, construindo e organizando um Partido Operário Revolucionário Mundial.

Read 527 times Last modified on Sexta, 06 Outubro 2017 21:27

Nacional

Bolsonaro e os militares

18 Setembro 2018
Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich Hegel e que, depois, foi referendada por Karl Marx:  a História se repete, a primeira...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

17 Setembro 2018
Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), marca o aprofundamento do processo do golpe de Estado.  Colocou em cena o general da...

Aos trabalhadores brasileiros

12 Setembro 2018
Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises econômicas da História. Não fomos nós trabalhadores que provocamos e sim os capitalistas, os quais...

A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

03 Agosto 2018
A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

O golpe de Estado no Brasil, capitaneado pelo Poder Judiciário, avança de vento em popa. Com a aproximação do prazo final para inscrições de candidatos ao cargo de Presidente da...

Devorados pelo Judiciário

20 Julho 2018
Devorados pelo Judiciário

A ilusão da esquerda nas instituições do Estado burguês fica manifesta com a postura quase que religiosa de confiança na Justiça burguesa. Porém, esse crédito na isenção dos julgadores brasileiros...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...