Sábado, 22 Setembro 2018

Friedrich Engels: um grande mestre da classe operária

Written by  Published in Teoria Domingo, 25 Novembro 2012 22:00
Rate this item
(1 Vote)

(20/07/2017)

Grande teórico revolucionário e companheiro de Karl Marx, com quem elaborou o socialismo científico, Engels foi um dos maiores pensadores e mestre da classe operária mundial.
Marx e Engels trabalharam juntos durante 40 anos, formularam as leis fundamentais da história da humanidade e demonstraram que toda a história escrita, até os nossos dias, nada mais é do que a história da luta de classes, onde uma classe social sempre domina sobre as outras. Explicaram, cientificamente, que o socialismo não é uma utopia, mas sim, o resultado lógico do desenvolvimento das forças produtivas da sociedade. Demonstraram que a classe operária deve lutar pela sua emancipação, destruindo a propriedade privada dos meios de produção por meio de uma luta política para impor o seu interesse de classe, superando a classe dos capitalistas.


Engels nasceu em 28 de novembro de 1820, em Barmen, na Renânia, no reino da Prússia. Era o mais velho dentre nove filhos. O pai, Friedrich Engels, era industrial, empreendedor conservador e muito religioso. A mãe, Elisabeth Engels, era uma intelectual muito interessada em arte e literatura, que exerceu forte influência em seu primogênito. Desde os dezoito anos de idade, já trabalhava na empresa do pai, por insistência deste. Adquiriu prática comercial e conheceu de perto a situação dos trabalhadores dos grandes centros industriais da Prússia e, concomitantemente, aprofundou seus estudos filosóficos, científicos e políticos.


Na época, a situação política na Alemanha era de ascenso da revolução democrática burguesa contra o regime absolutista prussiano. Era no campo filosófico que, antes de tudo, se manifestava o radicalismo burguês. Engels se tornou um discípulo de Hegel, que apresentava uma doutrina revolucionária, predominante na filosofia alemã da época. A filosofia idealista de Hegel foi colocada de ponta cabeça por Marx e Engels. Em 1844/45 a primeira obra conjunta dos pais do socialismo científico, “A Sagrada Família” (ou “A Crítica da Crítica da Crítica”), critica o idealismo hegeliano, em particular os hegelianos de esquerda e, precisamente, se opõem aos irmãos Bauer. A partir daqui já começa a se desenvolver os rudimentos do materialismo dialético e da interpretação materialista da história, descobrindo que as leis dialéticas se realizam verdadeiramente no campo concreto da luta de classes e não no campo das ideias. Com a obra “Ideologia Alemã”, 1845/46, Marx e Engels avançam num pensamento autônomo, superando definitivamente Hegel e Feuerbach.


Em 1842, Engels foi para Manchester, Inglaterra, trabalhar numa firma de seu pai onde entrou em contato direto com os trabalhadores e estudou os documentos oficiais que revelavam a real condição da classe trabalhadora. Em 1845, publica o livro “A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra”, onde conclui que os trabalhadores, devido a sua situação precária, teriam que lutar pela sua emancipação política, pelo socialismo.


Engels publicou, em 1844, o “Estudo Crítico Sobre a Economia Política”, uma crítica ao capitalismo sob o ponto de vista socialista. Tal obra estimulou Karl Marx a aprofundar o estudo da economia política, o que culminou na produção do livro “O Capital”.


Entre 1845 a 1847, Friedrich Engels viveu em Bruxelas e em Paris, e juntamente com Marx, entrou em contato com a “Liga dos Comunistas”, uma associação secreta de operários alemães que os encarregou de expor os princípios fundamentais do socialismo elaborado por eles. Assim, em 1948, é publicado o “Manifesto do Partido Comunista”, que constitui um dos tratados políticos mais consistentes e influentes de toda a História, onde expõem um claro programa de luta da classe operária pela destruição do capitalismo e pela construção de uma sociedade igualitária.


Marx e Engels retornaram à Alemanha durante a Revolução de 1848 e publicam, na cidade de Colônia, o jornal “A Nova Gazeta Renana”, que combatia firmemente as forças da reação absolutista prussiana, defendendo posições democráticas e revolucionárias.


Nesse período, Engels participou de várias ações armadas. Destaca-se na cidade de Elberfeld, em 1849, após uma insurreição operária, sua militância ativa como membro do Comitê de Segurança no enfrentamento contra as forças prussianas. Após a vitória do governo, com a derrota da insurreição, Engels participou de ações no território do Palatinado onde serviu como ajudante-de-campo do comandante das operações que dirigia um destacamento composto basicamente por operários. O Exército revolucionário do Palatinado recua para a região de Baden e se funde com as tropas insurretas de Baden. Engels desempenha papel ativo em várias batalhas.
Com a derrota dos destacamentos populares insurretos, o revolucionário voltou para a Inglaterra e se tornou sócio da empresa de seu pai, em Manchester. Em

1870, Engels se muda para Londres e, mais próximo de Marx, convive e colabora com o companheiro e amigo até a morte deste, em 1883. Antes de morre, Marx não chegou a concluído “O Capital”, tarefa que Engels desempenhou a partir de esboços de Marx, redigindo e publicando os livros II e III. Não chegou a redigir o livro IV.
Em 1878, escreveu o “Anti-Dühring”, em que polemiza com o filósofo alemão Eugen Dühring, que havia “criado” uma teoria geral do socialismo antimarxista. Neste livro, considerado o principal de Engels, é exposta as afirmações fundamentais do marxismo, alicerçado na filosofia, mas abrangendo as ciências naturais e sociais, a economia, a política e o socialismo.
Outra obra fundamental de Engels, “A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado”, escrita em 1884, aprofundou, sob o ponto de vista do materialismo histórico, a investigação iniciada pelo antropólogo norte-americano, Lewis Morgam, que na época era a mais avançada análise das sociedades primitivas. Elaborou que a evolução histórica está relacionada com o grau de domínio da técnica e da natureza pelo homem.


A figura grandiosa de Engels subsistiu, após a morte de Marx, como um “farol” para o proletariado europeu. Os socialistas de toda a Europa acorriam ao seu conhecimento enciclopédico para avançar na construção dos Partidos Socialistas. E Engels atuava, de fato, como dirigente dos revolucionários de todo o continente europeu. E conforme Lenin destacou, “A memória de Friedrich Engels, grande combatente e mestre do proletariado, viverá eternamente!”.

Read 566 times Last modified on Segunda, 20 Novembro 2017 20:00

Nacional

Bolsonaro e os militares

18 Setembro 2018
Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich Hegel e que, depois, foi referendada por Karl Marx:  a História se repete, a primeira...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

17 Setembro 2018
Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), marca o aprofundamento do processo do golpe de Estado.  Colocou em cena o general da...

Aos trabalhadores brasileiros

12 Setembro 2018
Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises econômicas da História. Não fomos nós trabalhadores que provocamos e sim os capitalistas, os quais...

A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

03 Agosto 2018
A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

O golpe de Estado no Brasil, capitaneado pelo Poder Judiciário, avança de vento em popa. Com a aproximação do prazo final para inscrições de candidatos ao cargo de Presidente da...

Devorados pelo Judiciário

20 Julho 2018
Devorados pelo Judiciário

A ilusão da esquerda nas instituições do Estado burguês fica manifesta com a postura quase que religiosa de confiança na Justiça burguesa. Porém, esse crédito na isenção dos julgadores brasileiros...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...