Sábado, 15 Dezembro 2018

Nacional

Liberdade para Lula! Fora Bolsonaro e o golpe militar!

22 Novembro 2018
Liberdade para Lula!  Fora Bolsonaro e o golpe militar!

O depoimento de Lula no dia 14 de novembro, sobre o processo do sítio de Atibaia, prenuncia nova condenação e a tendência de Lula permanecer preso por muitos anos, configurando...

Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

17 Novembro 2018
Militares brasileiros, nacionalistas ou golpistas?

A vitória de Jair Bolsonaro no Brasil faz parte da guerra “silenciosa” (híbrida, assíncrona, ou “revolução colorida”) do imperialismo norte-americano contra o Brasil. Nas eleições presidenciais deste ano, aconteceu um...

Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

16 Novembro 2018
Dia de luta contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro/Paulo Guedes

  A chapa Bolsonaro/Paulo Guedes venceu as eleições presidenciais de 2018 porque o PT, apoiado pela “esquerda” e junto com os partidos de centro-direita, jogou para perder, entregando de bandeja...

“Lei do Abate”, autonomia da polícia

10 Novembro 2018
“Lei do Abate”, autonomia da polícia

Quais as consequências para os trabalhadores e a população pobre e negra dos subúrbios? Por Florisvaldo LopesO presidente eleito e seus aliados, principalmente seus filhos, como Eduardo Bolsonaro, já falam...

As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

09 Novembro 2018
As centrais sindicais devem chamar uma Plenária Nacional de Mobilização

O governo Bolsonaro já está, de fato, no comando do país. Nenhuma medida do governo Temer e do atual Congresso Nacional se opõe às propostas do governo Bolsonaro. Pelo contrário,...

Correios - ECT

Acorda Ecetista 04 capa 

Acorda Ecetista 03 capa
  

Friedrich Engels: um grande mestre da classe operária

Friedrich Engels: um grande mestre...

(20/07/2017) Grande teórico revolucionário e companheiro de Karl Marx, com quem elaborou o socialismo científico, Engels foi um dos maiores pensadores e mestre da classe...

O petróleo tem que ser nosso!

O petróleo tem que ser...

  Um programa democrático e anti-imperialista para o petróleo brasileiro passa pela estatização sob o controle dos trabalhadores, com o objetivo de atender as necessidades...

A classe operária entrará em movimento?

A situação de levante popular na França indica uma mudança na situação da luta de classes naquele país e consequentemente do conjunto da Europa. De uma forma desigual e combinada,

A crise do lulismo e a luta dos trabalhadores

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, liberou esta semana o julgamento de novo Habeas Corpus a favor do ex-presidente Lula para a pauta da 2ª turma do

Liberdade para Lula! Fora Bolsonaro e o golpe militar!

O depoimento de Lula no dia 14 de novembro, sobre o processo do sítio de Atibaia, prenuncia nova condenação e a tendência de Lula permanecer preso por muitos anos, configurando
O “bolsonarismo” e o golpe sobre os Correios

O “bolsonarismo” e o golpe sobre os Correios

Por Antônio Fernando Para organizar as oposições classistas contra os ataques que virão, os trabalhadores precisam retomar as reuniões setoriais e responder aos questionamentos daqueles que, por uma ineficiência de...

A Atualidade de Trotsky

A Atualidade de Trotsky

Por Florisvaldo Lopes O que estamos presenciando neste momento no Brasil é praticamente o que Leon Trotsky alertava aos trabalhadores da Índia, em 1939, no texto "Carta Aberta aos Trabalhadores...

Fique por dentro

O “neoliberalismo” para o grande capital

(20/07/2017) A aplicação das “políticas neoliberais” tem...

Mais Informações

Massacre ao povo palestino (parte 4)

Massacre ao povo palestino (parte 4)

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte 3)

Massacre ao povo palestino (parte 3)

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte 2)

Massacre ao povo palestino (parte 2)

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte 1)

Massacre ao povo palestino (parte 1)

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...

A economia vai de mal a pior

A economia vai de mal a pior

  A inflação no Brasil teria caído para 3%, segundo...

A mais-valia ameaçada

A mais-valia ameaçada

Com o aprofundamento da crise mundial, a margem de manobra...

Essencial

Estado, Regime e Governo - Parte IV – O Regime Político

Estado, Regime e Governo - Parte IV – O Regime Político

O “neoliberalismo”: tábua de salvação da crise de 2008

O “neoliberalismo”: tábua de salvação da crise de 2008

Friedrich Engels: um grande mestre da classe operária

Friedrich Engels: um grande mestre da classe operária

Por Sérgio Lessa

modvida


Nos meios de comunicação nunca a crise que vivemos em nosso país é tratada como estrutural. Menos raro, mas ainda frequente, são as análises marxistas que concebem a crise internacional como sendo estrutural mas que, contudo, ao tratar do Brasil, o caráter estrutural da crise é deixado de lado. Como se houvesse duas crises, uma do capital mundial e outra do Brasil. Claro, a crise mundial e a brasileira não são idênticas. Longe disso. Contudo, a brasileira é uma expressão da crise do capital internacional e, desta, herda o caráter estrutural.


As crises passadas


Por mais sérias que tenham sido as crises passadas, ajustes do sistema bastavam para iniciar uma nova expansão econômica. Quando, por exemplo, a crise de 1929 tornou urgente uma maior intervenção do Estado na economia, amadureceram duas alternativas: o fascismo (Hitler e o nazismo) e o Estado de Bem-Estar. Ainda que o programa econômico não fosse idêntico, as duas alternativas compartilhavam algumas características essenciais. Propunham um Estado que realizasse grandes investimentos e grandes compras; o complexo industrial-militar absorveria a maior parte dos investimentos; o fordismo continuaria a ser a estratégia da organização da produção, etc.
Contudo, havia divergências inconciliáveis entre essas duas alternativas: criar-se-ia um mercado de massas ou se investiria na expansão militar? Quais os setores acumulariam mais capital? Como se admistraria os conflitos entre os trabalhadores e os patrões, qual a forma de incorporação dos sindicatos e partidos dos trabalhadores no Estado? Qual a amplitude e profundidade das políticas públicas (educação, saúde, transporte, segurança etc.) ? Naqueles anos, o nazismo, na Alemanha e o New Deal estadunidense eram, então, alternativas de fato, possíveis, no interior do próprio sistema do capital: a saída da crise poderia se dar em uma direção ou em outra.


A crise estrutural e a crise política


A crise atual difere das anteriores porque, pela primeira vez, não há saída capitalista para a crise. Por isso, na política restaram apenas dois grandes campos, tanto no exterior, quanto no Brasil. O campo, hoje dominante, que visa manter o capital e, do outro lado, o campo que visa destruir o capital.
O campo dos que querem um capitalismo com maior justiça social, dos reformistas em geral, termina, ao fim, realizando a mesma política de quem deseja manter o capital. A diferença de outrora, por exemplo, entre fascistas e democratas, desapareceu. Hoje, tanto a extrema direita quanto o centro, tanto os petistas quanto os partidos mais reacionários (como o PMDB ou o PSDB ou, mesmo, Bolsonaro) têm o mesmo programa econômico e, portanto, têm que executar a mesma política geral. Acima e antes de tudo quando se trata da repressão sobre os trabalhadores.
Hoje, os próprios democratas se encarregam do “trabalho sujo” da repressão: são capazes de coisas que nem Hitler sonhou! Quem mantém Guantánamo, o mais bárbaro centro de tortura que a humanidade jamais conheceu? Lembre-se que, lá, não há sequer “direitos humanos”! Guantánamo não obedece a nenhuma Constituição e os torturadores, fazem o que querem com os prisioneiros! Dimitrov, lembremos, em 1935-6, derrotou em um tribunal de Berlim os nazistas: algo inimaginável aos torturados de Guantánamo. Quem criou essa monstruosidade? A democracia estadunidense! Quais são os Estados que estão montando o maior sistema de vigilância e controle de seus cidadãos? As democracias mais avançadas do planeta, os países europeus! Nao são são essas mesmas democracias que montaram os centros clandestinos de tortura, os “buracos negros”? E, entre nós, foi a democracia que aorisionou em segurança máxima alguns indivíduos que, nas vésperas das Olimpíadas, entraram em sites do Estado Islâmico? Um deles não terminou morto um dia depois de ser transferido para uma prisão comum? Para não falar dos ainda perseguidos pelos eventos de 2013..
Do ponto de vista econômico: não são essas mesmas democracias que, lá fora, promovem uma inédita concentração de renda? Não é obra da democracia brasileira que 6 pessoas tenham a mesma riqueza que 50 milhões de brasileiros?
A direita, que hoje tem a tendência a crescer, leva à prática essencialmente a mesma política econômica que levariam os partidos ditos de esquerda, se estivessem no poder. Não há espaço sequer para diferenças: “todos eles” são farinha do mesmo saco: defendem um Estado com maior capacidade de reprimir e controlar os trabalhadores e operários. Todos defendem a mesma política econômica de aprofundamento neoliberal da loteria financeira.
No exterior e no Brasil! Entre um Temer e um Alckimin, entre um Lula e um Bolsonaro, entre um Aécio Neves e um Fernando Henrique Cardoso, entre um Alckimim e uma Marina – qual a diferença, real e de fato, entre eles? Não mais do que diferenças cosméticas, “mercadológicas”, criações demarqueteiros políticos.
Lula reprimirá os trabalhadores e fará a política econômica necessária aos patrões – tanto quanto um Bolsonaro ou um Alckimin. As diferenças são cosméticas: o PT podia até ser a favor do aborto no passado. Sob os governos petistas, a liberdade do aborto, antes clandestina e limitada, mas real, desapareceu quase por completo. O PT pode até defender um Estado laico e um ensino laico: não foi sob os governos petistas que os “fundamentalistas” mais avançaram seus programas doutrinadores, que eles chamam de “educacionais”? Distribuição de renda? Não foi sob os governos petistas que a concentração da renda foi impulsionada – inclusive por políticas públicas como o Bolsa Família? Democratização da cultura? Sob o governo do PT o domínio da produção cultural pelos grandes grupos econômicos só se intensificou. Democratização da saúde? O que dizer da hegemonia dos planos de saúde e da crise só sistema público de saúde… sob os governos petista?
Esse é um dos resultados da crise estrutural: não há mais alternativa intermediária entre o capitalismo e o socialismo. Os reformistas são tão burgueses quanto os burgueses mais burgueses! Os democratas são tão repressores dos trabalhadores quanto os não democratas.
A única real alternativa é avançarmos para além do capital. Por isso a revolução proletária é uma tarefa tão atual e tão decisiva. Na verdade, a única tarefa, pois a reprodução do capital os reformistas e burgueses se encarregam de manter.

Receba nossas matérias

captcha 
Uma equipe de trabalho séria a serviço de uma imprensa revolucionária. Colabore enviando denúncias do seu local de trabalho, do seu bairro e da sua cidade.

Educação

Educadores de Minas Gerais precisam de uma plano de luta

26 Junho 2018
Educadores de Minas Gerais precisam de uma plano de luta

No dia 8 de março de 2018, numa assembleia lotada na Praça da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte, os educadores votaram pela deflagração de uma greve estadual...

Parcelamento de salário de professor virou negócio da China

17 Junho 2018
Parcelamento de salário de professor virou negócio da China

  No dia 13 de junho de 2018, o funcionalismo público estadual, incluindo os trabalhadores em Educação de Minas Gerais, aguardava o seu salário, que já seria pago atrasado, após...

Educação Infantil não é segunda classe

11 Junho 2018
Educação Infantil não é segunda classe

  A Educação Infantil de Belo Horizonte está em greve desde o dia 23 de março em busca de melhores salários e condições de trabalho. Na penúltima assembleia, foi anunciado...

O tronco está no centro, tragam o chicote!

11 Junho 2018
O tronco está no centro, tragam o chicote!

 Depois da longa greve dos trabalhadores da Rede Estadual de Educação de Minas Gerais, que durou mais de 40 dias, vimos a greve terminar com sabor de derrota e com...

Fatiamento na luta da educação em Belo horizonte

09 Maio 2018
Fatiamento na luta da educação em Belo horizonte

  A Educação Infantil está em greve desde o dia 23 de abril em busca de melhores salários e condições de trabalho. Na última assembleia foi rejeitada a proposta do...

Gazeta Revolucionária [pdf]

 gr19 capa

Números Anteriores


AcordaTI 01capa  


 Acorda Vargem Grande 0 capa


Acorda Educador 0 capa