Segunda, 21 Maio 2018
Por Mario Medina
 
classe slide
 
Gostaríamos de pensar que o Brasil está prestes a entrar numa onda de mobilização social, de aguçada consciência de classe, onde os trabalhadores sairão às ruas sedentos por justiça social e dispostos a se insurgir no mínimo movimento anti-popular deste governo golpista. 
Já pensaram?! Um Brasil às portas de sua revolução social, pra desbaratar de vez esse teatro do horror em que se transformou. Um Brasil prestes a surgir para o futuro, para acertar as contas com a distribuição de renda, para conhecer o progresso, educar suas massas, levar qualidade de vida às suas famílias, apresentar um futuro promissor às suas crianças, oferecer a seus jovens um justo ideal no qual consumir seu trabalho e sua energia. Mas infelizmente não são essas as perspectivas, e temos que, com os pés no chão, analisar friamente os fatos e prognosticar com realismo os dias que virão. 
Seria ótimo traçar um perfil da revolução brasileira, mas temos, por motivos óbvios, que nos ver primeiro com o processo de contra-revolução por assim dizer, este dos últimos meses e anos, de duro cenário de contra-reformas imposto pelo capital em vista da crise mundial do capitalismo que diminui suas taxas de lucro.
Em vista do que temos assistido em termos de retrocessos sociais, comparando o desenvolvimento dos fatos ocorridos em terras brasileiras com a atual definição geoestratégica mundial, podemos imaginar o seguinte cenário:
Será praticamente impossível haver uma chapa nacional-desenvolvimentista eleita em alguma das próximas eleições presidenciais. A influência americana foi reestabelecida, o golpe é reflexo direto disso, e a direita mais neoliberaloide está destinada a ficar na gerência de turno do estado pelo próximo período, num estado que vai aderir ainda mais à escalada repressiva e truculenta. 
O braço do estado vai pesar sobre a população. Sobretudo nas periferias. Processo de recolonização da economia e da política brasileira com consequências duríssimas de estado policial. Tudo pra garantir o Brasil como pólo de superexploração de força de trabalho barata e como plataforma de rentismo para a farra do capital especulativo. 
Teremos um cenário de desindustrialização se acentuando, com o país fadado a se resignar com seu posto de mero exportador de commodities, como está sendo deliberado pelo imperialismo para continuar a ser na divisão internacional do trabalho. 
O Brasil como possível futura potência mundial renuncia às suas ambições para voltar à órbita estadunidense. Com algum capital chinês também, é verdade, mas muito longe de ser uma economia com vistas a intercambiar mais de igual pra igual com as potências mundiais, sejam elas dos Brics ou mais aliadas à Otan. O negócio aqui é exportar soja, gado e minério de ferro. Para acabar com qualquer pretensão de sustentabilidade.
O Brasil fadado a se tornar uma Colômbia da vida, um México, num emaranhado de cartéis do crime organizado assumindo posições no estado; um país mergulhado em sangue, convulso em meio à violência e à miséria. 
Para superar a atual condição e o lamentável prognóstico a que tal condição nos remete, seria necessário um imediato levante de massas, com poderosas greves gerais a paralisar produção e circulação de produtos, levando o povo às ruas em um processo semelhante ao de 2013, só que num movimento genuíno da classe trabalhadora, e não como as jornadas de então foram posteriormente remodeladas, capitaneadas pela direita que tinha interesse em não mexer nas estruturas de poder estabelecidas.
Somente um tal movimento de massas teria condições objetivas de frear o andamento da política brasileira tal como o delineamos por aqui. E tal movimento, além de uma natural disposição ao enfrentamento com o poder econômico e seu regime por parte das massas, requereria uma direção capaz de centralizar politicamente suas forças. 
Ou seja, tanto objetivamente,  tendo em vista que o descontentamento político ainda não resultou em aberta revolta social, quanto politicamente falando, no que tange à influência programática de um partido revolucionário capaz de falar a essas mesmas massas e dirigi-las à tomada de iniciativas contundentes, estamos impedidos de nos preocupar com a construção do socialismo para ter de falar aonde a contra-revolução está nos levando agora. 
Mas as tensões dialéticas é que movem a história. Passaremos da contra revolução à revolução. A história não acabou. Às vezes dá-se um passo atrás para em seguida dar dois passos a frente. Construir um processo grande de emancipação passa por ter paciência e perseverança em cada pequeno passo, com firmeza e dignidade.

Nacional

Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

11 Maio 2018
Geraldo Alkmin, dois passos para o alvo

  Agora, o que está acontecendo, dentro da caixa de Pandora aberta pela Operação Lava Jato, é que os procuradores querem ir além do PT porque são elementos, no geral,...

Mortes e prisões no dia do trabalhador

11 Maio 2018
Mortes e prisões no dia do trabalhador

  A política oficial do PT teve como resultado um 1 º de maio, em 2018, tão comportado que, além de ter sido um desastre, ninguém chegou a ser preso....

O desespero petista

11 Maio 2018
O desespero petista

    O 1 º de maio de 2018 representou um divisor de águas, marcou o colapso da política de “frente popular”, encabeçada pelo PT. A esquerda burguesa e pequeno...

Quem poderia atender melhor o imperialismo?

11 Maio 2018
Quem poderia atender melhor o imperialismo?

Há uma luta entre alas da burguesia. A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, aderiu ao golpe e à “teoria do domínio do fato” de mala e cuia. Aquela estória de...

Não se trata da luta do bem contra o mal

04 Maio 2018
Não se trata da luta do bem contra o mal

  O imperialismo organiza sua política para aumentar os ataques contra as massas A esperança da “frente popular” de que o órgão do Judiciário A, B ou C, venha a...

Educação

Fatiamento na luta da educação em Belo horizonte

09 Maio 2018
Fatiamento na luta da educação em Belo horizonte

  A Educação Infantil está em greve desde o dia 23 de março em busca de melhores salários e condições de trabalho. Na última assembleia foi rejeitada a proposta do...

A greve da Educação Infantil continua em Belo Horizonte

03 Maio 2018
A greve da Educação Infantil continua em Belo Horizonte

Dia 03 de maio de 2018 – 7º dia de greve da Educação Infantil em BH Alexandre Kalil (o Kalílgula), prefeito de Belo Horizonte, mandou um recado para as professoras...

Corre a repressão sobre os educadores em Belo Horizonte

23 Abril 2018
Corre a repressão sobre os educadores em Belo Horizonte

No fim do ano de 2017, em Belo Horizonte, o prefeito Alexandre kalil (PHS), uma espécie de Dória mineiro, resolveu abrir mais vagas na Educação Infantil e para isso utilizou-se...

"É que Narciso acha feio o que não é espelho"

22 Abril 2018
"É que Narciso acha feio o que não é espelho"

  "É que Narciso acha feio o que não é espelho" Caetano Veloso    Na semana passada, na tentativa de dar respostas à insatisfação da categoria com o governo Fernando Pimentel...

MORENO COMO VOCÊS? O REI SE INCLINA E MATA

19 Abril 2018
MORENO COMO VOCÊS? O REI SE INCLINA E MATA

Termina a greve dos educadores de Minas Gerais   No dia 18 de abril de 2018, com uma assembleia lotada, mas menor que as anteriores, foi aprovado o fim da...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

A economia vai de mal...

  A inflação no Brasil teria caído para 3%, segundo...

A mais-valia ameaçada

Com o aprofundamento da crise mundial, a margem de manobra...

Bashar al-Assad, Putin, Xi Jinping,...

Uma coisa interessante é que o bombardeio da Síria pelos...

As guerras híbridas

Trata-se de um método imperialista para atacar os países sem...

A crise da direita tradicional

A direita tradicional passou a ser colocada pelo imperialismo na...