Sábado, 22 Setembro 2018

Sobre nosso rompimento com a LPS e rompimento da maioria  do Comitê Central com o Programa aprovado no Iº Congresso da LPS

Durante a estruturação da ala esquerda (revolucionária) da LPS, a luta até o I Congresso (Abril de 2017) foi pela imposição do programa revolucionário. A primeira reunião Plena do CC foi o ponto em que ala burocrática foi pressionada a aplicar o Programa. Até esse momento, todos os documentos (que foram escritos pela ala revolucionária, especificamente por Alejandro Acosta) foram aprovados por unanimidade. Mas a ala burocrática aprovava tudo como mero papel que devia ser jogado no lixo. O objetivo sempre foi usar a ala revolucionária como verniz para o trabalho burocrático sindical oportunista, e especificamente para continuar controlando os caixas dos sindicatos. Com o fim do imposto sindical e sob a pressão da ala revolucionária, a ala burocrática, se viu encurralada e partiu para cima da ala revolucionária com o objetivo de enquadra-la aos próprios interesses, tentando impedir inclusive a ida destes à base e não estruturando o trabalho nacional.

  1. O Centralismo Democrático implica na centralização das deliberações e da ação política, junto com a maior democracia nas discussões, para a tomada das decisões e da definição política partidária.
  2. A elaboração da política e das decisões deve ser feita com a ampla participação dos militantes, o que requer a máxima democracia para discutir as posições. O próprio vínculo com o movimento de massas impõe esse funcionamento. Sem democracia interna, não é possível elaborar a linha política de maneira coletiva, que passa pelo confronto de opiniões dos militantes que expressam os setores de massas.
  3. Portanto, o componente democracia não deve ser um mero adereço para camuflar um centralismo burocrático. Caso contrário, o “centralismo democrático” será apenas a centralização do poder nas mãos de uma camarilha burocrática em benefício próprio.
  4. Uma vez que as decisões tenham sido tomadas pela maioria, depois de esgotada as discussões, a Organização de conjunto deverá lutar pela aplicação. O confronto com a realidade mostrará, na prática, se elas foram corretas. Caso não o tiverem sido, o dever da Organização, e especificamente da Direção Nacional, será reconhecer o erro imediatamente, por meio da crítica e da autocrítica, ouvir a classe operária e as massas, corrigir o erro, voltar a colocar a política corrigida em prática etc.
  5. O Centralismo Democrático implica no trabalho revolucionário integrado, “em equipe”, o que é totalmente oposto aos métodos anarquistas e semi-anarquistas de “cada um tomar a própria decisão”, de ficar à mercê do “movimento” ou das “massas nas ruas”.
  6. Os militantes da LPS devem repudiar a figura do “grande líder”, do “dirigente iluminado”, que é típica dos agrupamentos trotskistas após o colapso da IV Internacional e de todos os agrupamentos pequeno-burgueses e burocratizados. Em oposição a isso, todos aqueles que foram eleitos para dirigir politicamente a LPS, da mesma maneira que os demais militantes, devem estar estritamente vinculados ao movimento operário, nas fábricas, nas greves, nas ocupações, nas manifestações etc. A partir daí, a LPS deverá tirar as lições e as experiências para traçar a linha política correta com o objetivo de impulsionar o movimento de massas. O órgão central de imprensa da LPS, o Jornal Gazeta Operária, deve se transformar em um grande agitador coletivo, deve aprender com os trabalhadores, dirigi-los e manter-se profundamente ligado a eles.
  7. Os dirigentes da LPS deve estar estruturados nos núcleos e deles fazer parte, com trabalho militante no setor em que o núcleo atuar.

Nacional

Bolsonaro e os militares

18 Setembro 2018
Bolsonaro e os militares

  Na atual conjuntura, é muito válida a célebre máxima do grande filósofo alemão Friedrich Hegel e que, depois, foi referendada por Karl Marx:  a História se repete, a primeira...

Haddad, Bolsonaro e o Golpe

17 Setembro 2018
Haddad, Bolsonaro e o Golpe

O “atentado” contra Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), marca o aprofundamento do processo do golpe de Estado.  Colocou em cena o general da...

Aos trabalhadores brasileiros

12 Setembro 2018
Aos trabalhadores brasileiros

Por Florisvaldo Lopes Caros camaradas, Nesse momento em nosso país enfrentamos uma das maiores crises econômicas da História. Não fomos nós trabalhadores que provocamos e sim os capitalistas, os quais...

A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

03 Agosto 2018
A Ditadura do Judiciário e a libertação de Lula

O golpe de Estado no Brasil, capitaneado pelo Poder Judiciário, avança de vento em popa. Com a aproximação do prazo final para inscrições de candidatos ao cargo de Presidente da...

Devorados pelo Judiciário

20 Julho 2018
Devorados pelo Judiciário

A ilusão da esquerda nas instituições do Estado burguês fica manifesta com a postura quase que religiosa de confiança na Justiça burguesa. Porém, esse crédito na isenção dos julgadores brasileiros...

Gazeta Revolucionária [pdf]

Saiba Mais

Massacre ao povo palestino (parte...

A Intifada palestina     Intifada significa revolta, ou literalmente...

Massacre ao povo palestino (parte...

A criação do Estado de Israel Não foi da noite...

Massacre ao povo palestino (parte...

Sionismo praticando a necropolítica em Gaza     A propósito,...

Massacre ao povo palestino (parte...

Nakba, 70 anos de assassinatos No dia 14 de maio...